5 de janeiro de 2010

Inferno em Compensação - O Diabo em Cancun

Zé Luís

-  Com licença? - interrompe o turista curioso.
 - Pois não – responde ele por detrás dos óculos espelhados, com simpático e bronzeando semblante avermelhado.
 - Espero não estar incomodando...
 - Incomodo algum. Gosto de conversas inesperadas. Para mim,são possíveis oportunidades.
 - Você... é o diabo?
 - Sim – respondeu com naturalidade, exalando pelo canto da boca, forte e acido hálito de enxofre.
 - Caramba! Nem acredito! Eu disse para minha mulher que era você! Uma celebridade! Mas o que faz aqui nesta praia de Cancun?
 - As coisas lá no inferno estão fluindo bem.  O serviço tá bem adiantado. Daí pensei: Pôxa! Vamos aproveitar a folga tão incomum para baixar o “banco de horas” da rapaziada. No Hades tem muito departamento sem serviço mesmo. A gente aproveitou uns pacotes em promoção em umas agências e saiu para circundar a terra. Olha Mamom ali, na barraquinha, enchendo a cara...
 - Nossa! O sujeito já está de fogo a esta hora!
 - É...tem que dar o exemplo...- disse Satan, enquanto abria o bronzeador e espalhava pelos braços e ombros – Ele ama cachaça: Fogo Paulista...e Tequila? nosss!
 - Pendura na minha conta! - esganiçou Mamom ao dono do bar, enquanto dava “tchauzinho” para Lúcifer.
 - De onde é que conheço aquele capeta?
 - O “Mamo”? Tá de folga desde a implantação de sua franquia(negócio vai de vento em poupa). E aparição pública  oficial, com direito a show pirotécnico ele não faz desde a Idade Média...
 - Mas o jeitão dele... – comentava o turista, puxando pela memória – me lembra alguém...
 - Acho que sei o que é!– acenou o diabo. Deve ter relação com a franquia dele. O pessoa que assume o negócio que ele propõe copia até os trejeitos dele. Tipo PNL, entende?
 - Você comentou sobre uma franquia?...
 - Bom... - refletiu o avermelhado ser, em breve e silenciosa pausa – Não precisamos mais omitir nada, não é mesmo? Foi em um dos congressos do inferno que Mamom veio com esta idéia, que revolucionou o sistema infernal vigente (eu particularmente, confesso: a princípio, achei uma imbecilidade, coisa de “incubus” de quinta categoria, mas...) Ele propunha convencer a “vocês” que "igrejas legítimas" poderiam ser úteis ao reino se acreditassem que o Filho do  nosso “Inimigo” fosse obrigado a dar benefícios financeiros, especialidade do “Mamozito” ali, ao invés daquilo a qual se propoem realmente o plano “inimigo”.
 - Misericórdia! - exclamou o moço – Isso que é uma idéia infernal!
 - Infernal? - Gargalhou satanicamente – Isso foi ídéia de vocês. O inferno é como a internet: A gente só copia e piora! Ou você acha que a estamos de folga por que?

O moço se calou por uns breves momentos, que pareceriam até ser de reflexão, mas em seguida, pediu para tirar um retrato, e, no que o demônio concordou, chamou a esposa e as duas filhas para estarem junto na foto. “Não vejo a hora de postar estas imagens no meu blog” - pensou ele.
 - Ei! - chamou o turista – De onde eu te conheço?
 - Não é possivel que me conheça – sorriu irônico o homem.
 - O que faz aqui nestas paragens?
 - Estou a serviço do Reino de Deus! Sou preletor em um congresso cristão: “Doze passos para o Sucesso segundo Josué, A Arca e o Shofar, a unção e a Ginga”
 - Ah! - sorriu o diabo. Gente da franquia...

Lúcifer se levanta, e se dirige ao boteco onde Mamom ainda bebe. Dá um tapinha em suas costas, e paga mais uma rodada.