19 de outubro de 2009

Não é Bom ter Tantos Mestres


Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo.Thiago 3.1

Zé Luís

São tempos confusos.
Hoje, um cristão genuíno é capaz de adquirir bens em abundância, embora cumprir o IDE fique muito mais difícil para aquele que se “enrola”nas coisas deste mundo, sendo assim, desclassificado.
Mas não me deterei apenas em teologias de prosperidade. Graças a Deus, já existem muitos no serviço de denúncia desta prática.
Thiago, irmão de Jesus – literalmente por parte de mãe – recomenda que não tenha entre nós cristãos muitos mestres e isso sempre se soou estranho.
Se não tivemos entre nós gente com os devidos conhecimentos poderemos ser enganados por qualquer vento de doutrina tão comum nestes tempos.

Mas o que vem a ser um mestre, afinal de contas?
Nas duas partes de Kill Bill, filme dirigido por Tarantino, com sua típica violência excessiva e gratuita, tem em suas exóticas personagens o mestre supremo de artes marciais: Pai Mae.
O cruel instrutor da arte Kung Fu não podia ser vencido em seu oficio: lançava arrogante seus desafios a qualquer um sem nunca ser derrotado.
Seus segredos de luta eram irrefutáveis, sua técnica perfeita, seus movimentos impecáveis.
Ser mestre é ser incontestável.

Como podemos então ter mestres entre os que andam segundo o Cristo, sendo ele o Único, e todos, sem exceção, eternos aprendizes?
Existe em nós o desejo de estarmos acima, de sentir-nos superiores. De sermos o destaque no meio na multidão, mas Jesus não ensinou assim.
Ele é Mestre, e ao contrário das artes marciais, não existe quem o possa alcançar em qualquer coisa em seu ser, a não ser, sua humanidade.
Sendo mestre, ensina que os valores daquele que anseia ser mais, estão na prestação de serviços, e não na aquisição de credenciais.
Lavaremos pés, ao invés de ser aplaudidos em congressos.
Jesus orou para que fossemos um e o Espírito confirmou essa necessidade plantando em nossas almas a unanimidade. Só assim, pessoas tão diferentes podem ter comunhão. Não por serem mestres, mas por sermos escolhidos para ser ovelha aprendiz.

Tiago nos advertiu que aquele que imagina ser mestre, terá em sua alma a cobrança de sua ambição. Terá o questionamento de Deus de quais são os nossos motivos quando busca ser aquele que tem TODAS as respostas, sendo apenas filhos de Adão e Eva, como qualquer outro que vaga pela Terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário