30 de novembro de 2009

Quando a Fama não encobre a Língua Frouxa





Zé Luís

Dia 19 de Novembro, o humorista do celebrado CQC, Oscar Filho, por algum motivo inexplicável, resolveu revelar publicamente, através do Twitter, seguido por mais de 258.000 usuários (até então), sua concepção de quem foi Jesus Cristo:
"Para mim, esta história de crucificação é bobagem. Prá mim, Jesus era masoquista"...

Cristãos seguidores questionaram a bobagem de declarara. Emendou:
"Opa...desculpem pelo último post. Ao invés de dizer "História", eu quis dizer "estória"...

Não satisfeito, continua:
"Ah...eram outras desculpas? Então vá lá: Desculpa fazer piada com um cara que não acredito que existiu. Prá mim é folclore"...(isso foi uma piada?)

Ele continua durante mais alguns "twitters", entre informações sobre shows, e comentários sobre suas viagens a tenta fazer-se humorista com o assunto que resolveu estender, e no fim (pelo menos até onde acompanhei) disse que "os cristãos não o trataram com o amor que Cristo - supostamente - ensina". Demagogia pura. ..E burrice! Uma carreira, mesmo consolidada, não escapa desta mancha, mesmo após anos. Exemplos como John Lennon, e a simples declaração:
"Hoje somos mais populares que Jesus Cristo"(e olha que o músico citado tinha muito mais que trezentos mil seguidores num mundo sem internet em uma carreira que não era sazonal).

No mais, aborrecido, pensei em propor que fizesse algumas observações neste nível de sarcasmo sobre o Islamismo e sobre o Profeta Maomé.
Por que ateus nunca se propõe a brincar com a religião árabe? Simples: Os cristãos, normalmente, não revidam com a truculência devida, e eles sabem disso.

Certa vez, alguns discípulos, indignados com um vilarejo que repudiou o Evangelho de Jesus, pediram para que o Mestre mandasse fogo e consumisse aquelas almas, como feito quando Elias clamou em meio aos profetas de Baal. O resultado foi um Cristo indignado com a falta de tato de seus seguidores: Ele não estava ali para isso, e esperava que seus seguidores já tivessem entendido que sua vinda era para vida, e não para morte.

Tanto não entenderam, que a orelha de Malco foi a primeira que voou quando tentaram tocar no mestre com a intenção de maltratá-lo.

Compreenda Oscar: não é fácil para uma pessoa agüentar desaforo contra a própria mãe, diga lá contra o objeto de devoção tão real como nos é o Messias de Nazaré.
Embora isso não devesse incomodar, com declarações tão ausentes de conhecimentos de causa, no fundo a gente entende a intenção:
Se não creio em Papai Noel, não perco tempo lançando às crianças que crêem mensagens que o desabonem: isso só mostraria meu interesse em agredir pessoas que acreditam, se o fizesse)

Mesmo assim, sou feliz por seguir um Mestre que dá liberdade às pessoas falarem o que querem, certas ou não, de escolherem seguir ou desdenhar. Inclusive de ridicularizar sem cair uma faísca do céu(ainda).
Isso só mostra quem são e o que vai em suas almas. Não revela em nada o que o Cristo é. Cito Pr. Kivitz:
"Quem fala tudo o que pensa, revela de si mais do que deseja"

Oscar Filho tem direito de se expôr. Pior para ele e para quem faz de suas palavras algo digno de ser lido.

Fonte: Veshame Gospel