11 de dezembro de 2009

Fake: Campanha Evangélica para mudar o Control+S


Zé Luís

Circula em velocidade avassaladora a seguinte informação:


Evangélicos querem que Microsoft mude o atalho para salvar documentos de CTRL+S para CTRL+J
Jesus Saves

Fundadores da Igreja Jesus Saves, autora da campanha.

Segundo o folhetim evangélico americano Moses Cradle Board Newsum abaixo assinado está circulando por diversas igrejas dos Estados Unidos pedindo para a Microsoft que a mudança da tecla de atalho para salvar documentos, o atual ctrl+s, mude para o ctrl+j.

A justifica dos evangélicos é que o J deve salvar, pois só Jesus Salva e também que o S é a letra inicial de Satã. “Há cada vez um número maior de evangélicos ingressando no mundo da informática e é interessante a personalização do produto para agradar esse nicho novo do mercado” explicou o consultor em informática Arnold Hadley. ... se quiser, continue a ler clicando aqui

A noticia, de um dia para outro, está em centenas de blogs, incluindo igrejas sérias, como uma notícia verídica, o que mostra nossa necessidade de escândalos e apedrejamentos.

Não há nenhuma menção ao tal "jornal" em toda a internet que não seja nesta matéria, assim como os personagens são fictícios, e a fonte, BOBAGENTO, é conhecida como "geradora de fakes", sendo essa, única referência. Faltam fontes: locais, nomes, denominações.

O que me admira é nosso escândalo, antes de concluirmos que se trata obviamente de uma mentira. Nossa pré-disposição em acreditar que tudo que nos denigre está acontecendo sempre.

Ouvi de uma roda de escarnecedores:
"Certa vez, levaram uma prostituta pega em adultério para Jesus avaliar qual seria seu destino:
- Quem nunca errou que atire a primeira pedra - disse o Mestre.
Um judeu atípico, dono de um imenso bigode, e dono de uma padaria local, acertou uma forte tijolada na cabeça da moça.
- Que é isso, meu filho! Você nunca errou?
- Dessa distância não, ora pois! - disse o rapaz."


O pior que, enquanto alguns ali riam,um comentou:
"- Essa bíblia tem umas histórias estranhíssimas..."

Até aí, tudo bem. Ele não levava a marca de quem diz conhecer a Palavra. Seria estranho se algum crente ali concordasse, sem ao menos ler o texto e compará-lo com o que está sendo dito.