27 de dezembro de 2009

Uma palavra do Gigapóstolo Canarinho


O que a reportagem “Globesca” divulgada neste blog mostra claramente é a necessidade de revelar , de forma não ungida, as facilidades de se divulgar a palavra e conseqüentemente, a necessidade máxima de arrecadação de dízimos e ofertas, prioridade máxima para nosso reino.

Como a mim foi revelado direto dos céus (diga-se de passagem, transmissão digital, em Full HD), o verdadeiro sentido das águas que provém do trono, e porque existem brasas debaixo do altar: São águas-vivas debaixo do trono, aquele bicho que parece um cogumelo. Claro! E se você duvida deste ungido que vos dirige humildemente a palavra, sem cobrar-lhes –ainda – um centavo, certamente, basta que vá a alguma praia do litoral sul de São Paulo: Praia Grande, São Vicente, Santos; e verificar como este bichos queimam. Não crê? Não existe temor em seu coração! Certamente não está definitivamente convertido. Assim como Jonas, que orou para morrer no estômago daquela lagosta – outra revelação pessoal: baleia é ecologicamente incorreto, e um simples grande peixe não esta a altura de minha pregação: “Ó Senhor! Antes de me salvar, deixando-me naquele belo litoral, em Nínive, com apartamentos com vista para o mar, cura a gastrite deste anima!”. Eis a verdadeira natureza da bondade do profeta que salvou Jonas.

Mas qual a vantagem de fazer este milagre, se não for televisionado? O que isso gera em patrocínio?Não sou trouxa! Se colocassem emissoras de TV na porta do Hospital das Clínicas, certamente iríamos para lá curar (com os devidos seguranças, é claro). O problema seria identificar os nossos doentes dos deles.

Mas o que tem isso em relação à revelação infernal da Folha; das facilidades que se inventar infinitas comunidades religiosas?

Oras! Não demora muito e esta noticia se espalha: quantos novos pretendentes a líder religioso não surgirão? Ainda mais quando o 13º ainda não foi totalmente gasto (tem um pouco guardado para evangelizar no carnaval, claro). Um investimento seguro como este vale até entrar no limite do cheque especial.

Lamento apenas não ter pensado naquele nome tão interessante. Como podem perceber, tenho dificuldades em achar nomes, e normalmente, quando o espírito vem e revela, tenho que melhorar a “coisa”: Ele é cheio de “idéias”, e isso, normalmente, atrapalha nos interesses do reino que me propus a realizar. Já há algum tempo, Ele já não dá pitaco. Melhor assim.

Se duvidas de meu ministério, conheça meu testemunho. Dele provém a explicação de todo meu poder sobre as nações. Sempre me instruí com boa literatura clássica: Marvel, DC Comics, Chiclete com Banana, Circo, Angeli. Não condeno quem segue Turma da Mônica, nem Disney (embora até goste daquela teologia anti-Disney: ela é até rendosa), mas não é algo que o leve até meu nível.

Logo no início de minha conversão, ouvi o chamado:

- Naná? Tá acordado? É Deus falando... – (sempre tivemos essa intimidade como o criador, como pode ver).
- Fala Senhor, que teu servo escuta... – respondi humildemente, como Samuel. Eis que o próprio Deus bradou dos céus:
- Servo Naná? Eis que unjo-te com azeite Galo (estou atualmente em busca de patrocínio com a marca. Caso fracasse, a marca do azeite será vetada deste testemunho) e te faço meu assessor direto. Nem meus quatro querubins têm tanta proximidade a meu recinto.

É daí que tiro toda minha autoridade sobre as galáxias. Logicamente, algum infiel pode duvidar deste que vos, humildemente, escreve sem esperar nada que não lhe seja devidamente entregue (não falemos de dízimos, por hora). A estes que ofendem com sua incredulidade, não a mim, mas meu póóóóóói (ops, este é outro), cito palavras do teólogo Chicó de Ariano, nascido em Suassuna:

“- Num sei. Só sei que foi assim...”

Encerro meu grande devocional dominical prometendo que novas revelações serão feitas para sua vida, através de meu ministério. Revelarei meu chamado: o evangelismo de alienígenas, os pobres cabeçudos de olhos grandes, sem roupas, sem bolsos, sem salvação. Mas isto é coisa para o próximo domingo, já no ano que vem. Por enquanto, aguardem a tal sessão prometida pelo editor deste humilde blog – foi o que consegui ao chegar neste país, indicado por meu amigo Morris. Ele falou muito bem dos brasileiros. O editor deste, assim como vocês, é um atrasado, o que está proporcionando enorme prejuízos aos cofres do reino.

Assina a benção:

Di Giorgio Canarinho
Querubim da Catedral Galáctica dos Ungidos do Reino

Um comentário: