2 de janeiro de 2010

Nosso Corporativismo Cristão - Uma Doutrina Velada

Zé Luís

Se eu quisesse ganhar dinheiro com novos produtos para igrejas, certamente inventaria um tapete com alta capacidade de absorção de sujeira debaixo dele.

Voltando a ativa, ligo meu computador e eis que no meu pequeno hall de visitantes, um comentário anônimo me chamou a atenção: Alguém, que pelo que me parece, nem leu o artigo sobre o crente que abandonou a filha de 3 anos na estrada, condenou-me por ter postado críticas ao que ela chamou de "irmão" Eber Rosa da Silva, e que ele é só um filho pródigo que precisa de auxílio e oração.

Como o título traz a informação que o "CARA" tinha um blog(recém desativado)de teor cristão, achou que era uma ofensa te-lo chamado desta forma. Creio que dos nomes que ele foi chamado após este episódio, este é o mais brando.

O que me intriga é a instrução que se tem para manter oculta a sujeira que acontece dentro do nosso convívio, quando a bíblia NÃO recomenda isso. Pensam que é péssima publicidade - ou mesmo munição para os que não aceitam os crentes(não o Cristo). Acreditam que estas informações podem afastar pessoas do Evangelho, ainda mais quando um "irmão" de "alta casta" se envolve com um problema tão "difícil".

Paulo conta na carta aos moradores da Galácia que, em certa ocasião, Pedro desceu de Jerusalém e foi almoçar com ele e os recém convertidos gentios. Imagine que todos estavam ali, comendo como não judeus, se alimentando de coisas que entre os judeus é considerado imunda: um torresminho, uma bela feijoada, uma cervejinha. Foi quando chegaram os outros cristãos-judeus de Jerusalém. Pedro foi então saindo da mesa, disfarçadamente, e sentou-se entre os seus, deixando de lado a turma que até aquele momento era perfeita para almoçar.

Paulo conta que "resistiu-lhe na cara". O grande Apóstolo Pedro era repreendido na frente de todos por ter "dois pesos, duas medidas", por só aceitar o Cristianismo sem as leis de alimentação quando seus amigos de Jerusalém não estavam vendo. Porco é, segundo a lei judaica, um animal imundo, e não pode ser alimento para eles, mas Pedro, assim como seus amigos, já não viviam mais o judaísmo, mas não queriam se indispor com os fariseus convertidos, que não aceitavam aquela liberdade toda. Pedro estava preocupado em agradar homens naquele momento, e Paulo denunciava-o em frente a todos.

Fosse hoje, tentariam varrer tal denúncia para debaixo do tapete. A "imagem " de Pedro não poderia ser manchada, e se Paulo permanecesse com esta postura, varreriam-no também, junto com todos aqueles que não professavam a "sã doutrina" aceitas pelo amigos ilustres, hoje tão valorizados.

Entre as Doze tribos de Israel, encabeçadas pela descendência de um único homem, Jacó, e portanto, irmãos, a coisa foi mais radical, como pode ser lido no final do Livro de Juízes: Um Levita e sua concubina entram numa cidade de determinada tribo israelita(na esperança de encontrar ali a segurança de estar entre irmãos), e a casa onde se alojaram no início da noite é cercada por homens, que pretendem estuprar o LEVITA. Como solução, o dono da casa abriu a porta e lançou a concubina para a multidão, como quem lança um osso para um bando de dobermans.
A moça esta morta pela manhã.

O levita então, esquarteja o corpo e envia os membros para as tribos: todos tem culpa se não tomarem providências quanto aquele ato; todos concordaram. Os estupradores, que com sua atitude, se comparam aos atos praticados em Sodoma, se recusaram a rendição, e foram totalmente destruídos, por seus próprios irmãos. A história traz mais detalhes que valem reflexão, pois conta muito do que não se faz hoje, e as consequências de nosso "corporativismo".

Não precisamos Orar para saber que abandonar crianças a noite numa estrada é errado. Pergunte a qualquer um que não seja psicopata, cristão ou não.

Boquiaberto, vejo gente só emitir sua opinião mediante a apresentação de credenciais, ou diante de detalhes denominacionais:
- Aquele que cometeu o crime é crente?
- Sim...
- Qual a igreja?
- Quadrangular...
- Ah... Então ele só precisa de oração, foi tentado pelo diabo. Se fosse da Renascer, aí poderia até xingar-lhe a mãe... mas tenho um amigo que é pastor nesta igreja...

Absurdo? Essa é uma das "Doutrinas Veladas" de nossa convivência evangélica.