2 de fevereiro de 2010

O Testemunho do Palhaço!

Matéria postada no Recortes de um conterrâneo talentoso, Eder Barbosa de Melo.



Soren Kierkgaard (1813-1855), teólogo dinamarquês, brindou-nos com uma parábola. Conta-nos que um grande circo acampou nas cercanías de uma cidade. Na tarde que antecedeu a estréia, quando saltimbancos, mágicos e trapezistas se preparavam para o espetáculo, começou um grande incêndio no circo. O palhaço, já tratado e pintado, correu para a cidade em busca de socorro. Desesperado, ele gritava em praça pública, clamando por auxílio. Porém, quanto mais elevava a sua voz e corria de um lado para outro, mais as pessoas se divertiam. Pensavam que ele usava de um ardil excelente para lotar o circo. Exausto e em desespero, caiu de joelhos: “Por Deus, por Deus! Ajudem-nos! O circo está em chamas”. Os meninos gargalhavam. Os mais velhos se maravilhavam dizendo: “Quão extraordinário ator se mostra o figurante do circo, que sabe chorar para fazer graça”. E o circo foi destruído pelas chamas.

Moral da história: Se perder o testemunho, a Igreja perde também a autoridade para falar.

- Transcrito do Livro “O que os evangélicos (não) falam”, de Ricardo Gondim, Editora Ultimato.

2 comentários:

  1. Zé Luiz, essa estória é o máximo.

    No caso da igreja brasileira isso já está acontecendo. O descrédito é grande.
    Quando alguém se apresenta como ´evangélico´ logo é taxado de trouxa ou de otário que leva dinheiro para o pastor, ou quando o sujeito se apresenta como pastor, que é o meu caso, logo é taxado como o espertalhão que tá vivendo às custas do povo. A certa hora da noite todos os gatos são pardos, enquanto isso "o circo tá pegando fogo" e ninguém acredita em nós.

    No Amado

    Ielton Isorro

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado pelo talentoso, fiquei mais feliz ainda vindo de você. Desculpe a demora, é que tive que vir no Rio resolver umas coisas, mas já tô voltando pra Natal. Abraços!

    ResponderExcluir