4 de abril de 2010

Você tem seu lado "Alfredinho"?

Imagem vista no Capinaremos
Confesso que eu mesmo - assim como muitos que conheço - já tive as certezas de nosso pequeno Alfredo. Muitas vezes não sabia que me faltava certas habilidades, e burramente, me vangloriava de meus feitos, sem me dar conta do papel ridículo que estava prestando.

Talvez você não saiba do que falo. Por isso, colocaremos na 3ª pessoa:

Sabe aquele sujeito - seu colega de serviço? não olha para ele agora não - que é um tremendo chato, mas se classifica agradável, crê que seus assuntos - que geralmente são sempre os mesmos - realmente dignos de interromper qualquer assunto realmente relevante.

Gente que imagina que suas revelações sobre as aquisições atuais e futuras (desde bijuterias que omitiu ser do camelo ao carro que seu marido está para tirar na concessionária), ou mesmo as explicações do último capitulo da novela que possuem o mistério oculto  de  toda a trama.
 
Gente como eu: chata, emocionalmente daltônica, mas que crê realmente que possui habilidades que não tem.

Por isso o Mestre pediu para que nos amássemos o próximo como nos amamos: aceitarmos o "daltonismo" alheio como aceitamos o nosso. Ele aceita, e olha que ele sabe exatamente nossa série de deficiências óbvias ou não.