19 de maio de 2010

Extra! Extra! Deus não gosta de novela!

por Zé Luís

Certa vez, o recém-convertido chegou a igrejinha e vendo os dois pastores conversando no púlpito, um mais velho e o jovem pastor auxiliar, correu-lhe a seu encontro, antes que se desse inicio ao culto daquela noite.

Passara o dia ruminando sobre a questão: não via razão para a ruptura com a antiga religião, o espiritismo, e altivo, levou a questão para os mesmos. “Não havia malignidade na intenção de um homem que vive entre os espíritos” - alegava.

Eles se entreolharam, e por alguma razão, nada disseram: pediram apenas que o moço orasse. Não deram uma resposta direta, ou uma acusação formal contra aquelas entidades que o neófito tão bem conhecia, e não tinha como maléfica. Anos se passaram até que ele entendesse aquele estranho silêncio.

Quando a manchete saiu em um dos jornais mais idôneos do país, nada mais foi como antes.
Muitos, ao conseguirem finalmente entender o que Deus tinha falado, livre de interpretações ou intermediários, simplesmente abandonaram as novelas. As emissoras de TV rapidamente pararam de transmitir as mesmas, e começou-se um intenso debate sobre se um filme que tem continuação, ou uma série, poderia ser enquadrado nessa categoria mundana. Logicamente, tentaram mudar essas classificação, garantindo que o que ia ao ar não era novela e sim, uma espécie de romance falado (muitos sites e blogs denunciaram a hedionda estratégia, o que fez com que desistissem de as transmitirem).

Mas abdicar disso, para muitos, foi algo demasiadamente difícil. “Até o celibato é mais fácil, e a novela até ajudava nisso...” disse um, no que um ouvinte filosofou “Talvez seja por isso que o Criador não goste...”. Rapidamente, associaram a novela a doenças da sexualidade, e os então consagrados atores, celebridades amadas e admiradas, foram rotulados como propagadores de ideias do inferno, coisa satânica mesmo.

Uma semana se passou e diversas igrejas já tinha a “anti-novela” embutida em seus nomes denominacionais, revelações de conspiração mundial e versículos que embasavam a opinião divina se multiplicavam nos púlpitos, e os pregadores eletrônicos, felizes com a abertura de mais um horário para suas igrejas, garantiam que aquele era o real motivo de quererem tanto espaço na TV.

Sim: grupos mais radicais reivindicavam a autoria das atrocidades terroristas feitas contra diretores, atores e atrizes que fizeram parte da herege “novela”. Agressões, estupros e linchamentos se multiplicavam contra os garotos da novela da seis, sete, oito, enquanto o Governo, laico, deixava que as coisas andassem como tinha que andar. Ainda naquele mês, boa parte dos bens destes artistas era confiscado, sem que a imprensa denunciasse a imensa injustiça cometida contra aqueles que um dia foram ídolos nacionais.

Foi no Jô Onze e Meia que o confiável repórter Herculano Quintanilha, autor da matéria, revelou o teor de sua conversa com o Pai, que originou toda aquela mudança. Ao vivo, o repórter revelou ao Jô:
Não, Deus não disse nada disso. Eu deduzi...
Espera, espera... - os picos de audiência foram às alturas naquele momento, assim como a indignação do apresentador – Você inventou aquela história toda?
A entrevista, na verdade, é uma compilação de trechos de outras entrevistas... o Criador não é muito dado a falar esse tipo de coisa. Eu nunca tive um encontro com Ele.
Afinal! Deus gosta ou não de novelas?
Não sei... mas eu não gosto. Além do mais, vivo de vender noticia e gera-lá é o que faço com muita propriedade...
E as consequências que isso ocasionou! Gente morreu!
Mais noticia. Quanto às consequências: Você fala de um jeito, Jô... como se eu fosse o único a manipular osque Deus supostamente quer ou disse. Esse tipo de manipulação é feita a séculos. Só fiz porque precisava de dinheiro, igual a muito religioso...

O apresentador, entre boquiaberto, indignado e irado, encerrou o programa logo após àquele dialogo, sem suas costumeiras despedidas e chistes espirituosos. Levantou-se com olhos mareados, virou-se e saiu.

O corpo do repórter foi encontrado no dia seguinte, irreconhecível, afundado em cortes e pauladas. Sabiam que era ele por conta de ainda estar dentro do belíssimo carro que possuía, agora igualmente destruído.

Entendo o silêncio de meus pastores. Eles me ensinaram que uma resposta de Deus em oração é mais eficaz de que uma humana dedução clara e objetiva, por mais ela que seja verídica: o problema não está no emissor da informação, e sim, nas condições do receptor em traduzir aquela resposta.

6 comentários:

  1. Coincidencia ou não estou produzindo um textinho com tema parecido. O pior é que existem pessoas que mesmo depois que a máscara cai, ainda vai continuar acreditando nas proprias mentiras.

    ResponderExcluir
  2. Gostas de uma novelinha, né Zé?

    ResponderExcluir
  3. Engraçado é que nós que deveríamos estar atentos ao que Deus quer dizer e damos ouvidos e audiência aos que nada tem a acrescentar.

    No fundo, no fundo, odiamos a liberdade de pensar. Gostamos das verdades enlatadas, daquilo que parece com o que conhecemos e pensamos.

    Até mesmo a Palavra de Deus passa a ser não ouvida se nossas mentes já tiverem verdades pré-concebidas.

    Que nosso Consolador seja nosso Conselheiro nos levando a amar verdade!

    ResponderExcluir
  4. Paz seja contigo

    Lembro me de quando uma jovem de 20 anos namorando uma cara de 40 divorciado com uma filha de 15 anos me perguntou o que eu achava daquele relacionamento (ela havia conhecido o cara dentro da igreja).

    Eu disse para que ela examinasse as condições em que o relacionamento iniciou e os objetivos daquele namoro.

    Mas eu disse que me parecia estranho o modo que as coisas começaram e como elas se conduziram. A preveni para que o "tiozão" não se aproveitasse dela.

    Ela me disse: " você esta sentindo algo de DEUS?

    Eu estranhei e disse que não senti nada e que a situação era evidente.

    Então como eu não "senti nada sobrenatural" ela não deu crédito, continuo o namoro e 1 ano depois estava com um filho nos braços.

    Obs: não sou profeta, nem apóstolo, nem advinho, nem astrologo.

    Tem pessoas que quando deviam perguntar a Deus, perguntam ao homem. E tem questões que se resolvem entre pessoas e elas querem que Deus faça tudo por elas.

    Ótimo relato este.

    permaneça na Graça e nela frutifique

    Seja bem vindo em meu blog e se lá puder-lhe edificar mediante a palavra de alguma forma

    atalaiadocastelo.blogspot.com

    Nicodemos

    ResponderExcluir