Ainda sobre a "Corrente do Bem"

por Zé Luís

Sou chorão para filmes, confesso.

De uns tempos para cá, evito de assistir filmes com minha família, devido a chateação que me fazem quando me debulho em lágrimas.

E não é filme novo não: as vezes é propaganda de panetone ou margarina. Ridículo, eu sei...

O último foi “A Corrente do Bem” com Kevin Spacey , Helen Hunt e o garotinho Haley Joel Osment(o que fez o “Sexto Sentido”).

Ok: O filme é cheio de clichês, mas gostei da ideia.

Um repórter investiga a origem de um movimento que se espalha pelos Estados Unidos. O movimento consiste em fazer o bem por fazer, simplesmente por ter recebido algo semelhante. Na outra ponta da história, um garoto tem um projeto de ciências sociais: que cada um cometa três atos de bondade, que não sejam fáceis, e não por mérito: o perdão a alguém que não o merece, auxílio para aquele que desperdiçou a vida como quis, apanhar no lugar de alguém, atos de misericórdia, perdão imerecido. Sem que Deus seja citado, sem que Ele nos recompense. Apenas bons atos.

O drama inteiro se dá nos ecos destes atos e na dificuldade em que o ser humano encontra em se fazer o que tem de se fazer diariamente. No filme, a obrigação são 3 atos, e como é dificil com que as pessoas consigam fazê-lo.

Hipocritamente nos intitulamos “cristãos”, onde estes atos de perdão, altruísmo, doação, deveriam ser força do hábito, mas a distância de sermos assim é quilométrica.

Mercenariamente, oramos exigindo de Deus o reembolso de nossas pseudo- boas ações, cobramos nosso conhecimento nas Escrituras (essa coisa de “Orar a Palavra”, onde se lembra ao Todo Poderoso detalhes da bíblia que escreveu).

O fim do filme não poderia ser outro: o garoto se sacrifica em nome de seu projeto, por que nele, o ato não pode ser medido, só feito. Isso desencadeia no país inteiro uma onda de boas ações.

Esse deveria ser nosso projeto diário, mas sabemos que na prática, viver o título que nos denominamos é bem mais complicado do que parece, coisa de ficção mesmo.

Graças que Deus é essa corrente do Bem, o motivo de não sermos consumidos, tanto os maus quanto os piores. E nem nos emocionamos com isso.

Só com propagandas de margarina, panetone... ridículo, ridículo...

Comentários

  1. Puxa Zé, eu nunca consigo chorar com filmes, nem com quase nada, mas admiro quem o faz e não tem medo de confessar... uma dica: junta a esposa e os filhos e assista "Uma prova de amor" com Cameron Diaz, voce vai gostar!

    Esse filme realmente parece piegas, mas é interessante, com valores sociais urgentes, gosto de filmes positivistas.

    Ando meio sumido, mas o Blog continua nota 10, em breve tiro férias e vou ter tempo de respirar.

    ResponderExcluir
  2. O Eder quer voltar ao topo do top...
    Nas férias, vai ter que correr atrás do prejuizo kkkkk.

    Puxa Zé, vc é surpreendente mesmo. Uma manteiga derretida?
    mas acontece nos melhores clãs.
    No sábado a familia assitiu "Cj7 o brinquedo mágico" e até o patriarca ficou com olhos marejados.....coisa rara.


    Só tem um filme que me faz chorar até a beira da desidratação, mas este segredo não revelo nem sobre tortura.


    "O drama inteiro se dá nos ecos destes atos e na dificuldade em que o ser humano encontra em se fazer o que tem de se fazer diariamente."


    Amar como Ele nos amou, perdoar da forma que fomos perdoados...
    não deveria ser um desafio.

    ResponderExcluir
  3. Eu vi o filme e quando tive oportunidade, comprei-o também (na Americanas sempre tem coisa boa por 12,90... olha o jabá aí!).
    Embora como já foi dito, o tema do filme parece piegas, como piegas também parece o comportamento daquele que vive a verdadeira fé cristã. Ou tenta, como eu.
    Fazer o bem ao próximo, ao invés de reivindicar minha restituição, é muito mais complicado, não?
    Recomendo esse filme sempre que possível, afinal, tá difícil competir com "Desafiando Gigantes" ou qualquer outro filme gospel que tenha mais apelo popular dos evangélicos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 10 números mais significativos da bíblia

Sobre anjos: 10 erros comuns