27 de junho de 2010

Comentários sobre Batalha Espiritual

 por Zé Luís

Muito se fala sobre a necessidade da oração, de como alguém que professa a fé em Cristo só caminha “espiritualmente” nesta área se fizer deste exercício uma constante em sua existência.

Jamais diria o contrário, embora seja um campo que ainda tenha certa falta de disciplina. Por favor: não me julguem, é tragicamente tradicional que discípulos cochilem neste processo: Basta lembrar que em um dos momentos mais terríveis da vida do Mestre na terra, ele pediu para que eles o acompanhassem nisso, e eles simplesmente, dormiram por mais de uma vez.

De joelhos, na intimidade isolada do meu quarto, fecho os olhos e procuro o contato através de minhas preces, mas não demora muito para faltar assunto, para meu monólogo perder o sentido e a mente começar a divagar entre assuntos totalmente alheios: “Quanto está o jogo?...”, “Será que paguei aquela conta?...”,”Aquele colega de serviço me contou uma piada engraçada...”.

Sem contar o sono incontrolável, inexplicável. Não tenho tanto sono assim! O que será que me dá?

Creio que isso seja a verdadeira batalha espiritual: é entrar na dimensão onde fica a legítima inspiração, onde os pensamentos se estabilizam, onde um pouco de paz pode ser restaurada, que a dispersão começa, já que o caminho que leva até este esconderijo é escabroso e povoado por seres inexplicáveis.

Elias, profeta pentecostal padrão, quando em sua caverna, e chamado por Deus para sair, presencia as mais diversas manifestações antes que identifique em quais delas o Altíssimo habita: num grande vendaval, em um tremor de terra, em inexplicáveis chamas que derretem as rochas a sua frente? O Criador se pronuncia em uma voz mansa, suave.

Orações – pentecostais como as dos meus irmãos – começam numa luta para se manter em constante força de voz, e não é incomum encontrar nesta hora crentes aos berros, falando dialetos, saltando, correndo: é a forma que eles encontram em permanecer orando e não sucumbirem ao sono da batalha.

Não é a intenção daqui julgar formatos: em certa data, estava só em casa, e ao sair do banho, meditava em determinado trecho da Palavra, quando senti a presença especial do Espírito. Ri-me, ao me deparar momentos depois, diante do espelho, com meu reflexo magro e nú, saltitando aos prantos enquanto sentia em minha alma a mais profunda gratidão. Graças a Deus, só Ele presenciou isso...

Mas é no silêncio calmo, quando calo meus pensamentos, após pedir a Deus que mudasse minhas vontades, que começa a nascer em mim respostas que aqui não estavam.

Oração não é monólogo, é diálogo. Um papo que só quem ouve sou eu e meu Interlocutor, na maioria das vezes. Nesses papos, já pude ser abençoado muitas vezes.

Uma das minhas maiores bençãos é poder compartilhar pensamentos com desconhecidos que recebem estas informações como verdadeiro alívio para a dor de suas almas.

Esse texto, por exemplo, é resultado de alguns momentos na presença Dele.

Guerra Espiritual é isso, sem trégua, com um embaralhador de pensamentos sempre presente, tentando nos roubar pensamentos, matar raciocínios, destruir linhas lógicas.

Estamos em guerra.

10 comentários:

  1. "após pedir a Deus que mudasse minhas vontades"

    ResponderExcluir
  2. esse tipo de oração é sempre o mais dificil.

    ResponderExcluir
  3. Que Neusa Itioka nada, o negócio é Confuso na cabeça !

    o texto veio de encontro com estou matutando no dia de hoje.

    Ele nos visita no inconsciente, sabe aquele lugar onde os demônios habitam, o cemitério de gadara?
    pois é

    e lá Ele nos fala, pois deseja nos livrar dos grilhões que nos prendem.
    É o dialogo que liberta

    ResponderExcluir
  4. Eita Adriana!

    Zeca Ypioca?

    Esse lugar secreto, esse caminho de trevas até o Trono trilhado na alma...

    Isso sempre me fascina.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Sabe o que mais me fascina, Zé?

    Jesus foi até gadara, lugar esquecido e mal quisto, foi até o cemitério, lugar impuro, encontrou o "albergue" de demônios, o libertou e o fez livre para ser saudável.
    Tudo isso por amor.

    Quem chegou tão longe?
    Quem cunhou um conceito teorico tão poderoso que pode libertar um homem dessa forma?

    Eu desconheço.

    Ele nos visita nas catacumbas da alma, por amor.

    ResponderExcluir
  6. Esse texto veio em hora certa pra eu ler... isso acontece constantemente cmg... bocejos incontroláveis na hora do louvor congragacional... desvio de pensamentos na hora da oração... puxa, como é grande a luta... só Deus pra nos dar vitória!

    ResponderExcluir
  7. Como as vezes é dificil conversar com Deus.
    De forma simples, nos sentimos tão pequenos e pecadores diante da presença pura e santa Dele...
    Porém quando consigo sentir ... aquele consolo inexplicavel, é como se eu estivesse flutuando, um carinho na alma sabe...
    Ainda não senti algo tão sublime como essa presença única.
    Me identifiquei muito com seu texto.
    Creio que não só eu, mas várias pessoas.
    Deus continue abençoando tua vida.

    ResponderExcluir
  8. Belo texto. Estamos em guerra e o que não podemos é nos esquecer disso, pq faz toda a difrença.

    ResponderExcluir
  9. Seus textos são ótimos. Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  10. Certamente confesso que faço parte desta batalha!!
    Os pensamentos voam sem rumo, e muito dispersos, acabo perdendo a verdadeira razão de estar ali.
    Muito confusooo... até pra explicar!

    Bjoo
    Maya

    ResponderExcluir