31 de julho de 2010

Você sabe o que é Circuncisão?

por Zé Luís

Deus deu a Abraão uma marca em sua descendência masculina: um corte em sua genital.

Nada mais comum do que ouvir céticos usando a referência cristã – a bíblia – como fonte de sandices e absurdos. Utilizam trechos mal traduzidos e confusos para justificarem essa ou aquela fabilidade em comparação com a tese científica de alguém.

O azeite de oliva, produto altamente respeitado por todo velho testamento, foi considerado pela medicina durante muito tempo puro veneno. Só recentemente descobriram uma ilha da Grécia onde o índice de problemas cardiácos é baixíssimo. O segredo daquela população: ingerir um cálice de azeite virgem por dia.

A lei mosaica ordenava uma dieta que aos outros povos pareceria religiosidade insana: não ingerir carne suína, por exemplo (devo lembrar que a Lei foi dada no deserto, onde não poderia haver saneamento básico, ou mesmo formas adequadas de armazenamento). Só recentemente, descobriu-se os perigos desta carne, como o problema da “solitária”.

Os costumes levíticos mantiveram os judeus vivos durante a Peste Negra, quando o costume de manter mãos e louças sempre lavadas faziam com que o risco de contaminação pelos ratos fosse bem reduzido. Obviamente, o povo, esse sim supersticioso, associou isso a coisas maléficas.

A circuncisão é a remoção da pele que cobre a ponta do pênis.

A Ciência é unânime em mostrar as vantagens para uma pessoa circuncidada, já que isso evita uma série de doenças, devido a praticidade da higiene, entre uma série de outros benefícios.

Enquanto nós lavamos as mãos após usar o banheiro, um judeu o faz antes.

Também é sabido pela Ciência que a o recém-nascido tem em seu oitavo dia de vida, seu melhor dia de cicatrização durante a vida inteira. Como Moisés poderia saber disso quando escreveu a Torah?

Vendo de outra forma, Deus escolheu marcar seu povo no lugar mais sensível, mais íntimo, mais significativo. Uma marca para a vida inteira.

Reis queriam eunucos sobre seus pertences por saberem que estes não tinha força de vontade para desejá-los. Imperadores da antiguidade faziam dos castrados seus funcionários de confiança, assim como cuidador de seus haréns. O que alguém desprovido de seu sexo faria com as esposas de alguém?

Jeová sabe disso, e nisso coloca sua marca, para que sua descendência lembrasse de onde provinha sua força. Eunucos eram proibidos de entrar no Templo para adorar.

Deus mostra ao homem na Aliança Mosaica que mesmo que este tenha em seu corpo uma marca que visitada todos os dias, mesmo quando na intimidade de seu casamento, ou em um simples banho; essa lembrança diária e perpétua não o fará permanecer no Caminho.

Em Atos, um diácono, Filipe, movido pelo Espírito, vai ao deserto para encontrar um alto funcionário de uma rainha etiope, que voltava a seu país, após ter estado em Jerusalém para adorar. Ele leva em sua carruagem diversos manuscritos onde tenta decifrar seu significado. Ele é eunuco.

Mesmo assim, existe na nova aliança, a possibilidade para aqueles restritos pela Lei: a intimidade não está mais na incisão de uma genital. Ela vai além: Está no respirar, no pensar, na metamorfose diária que converte gente detestável em príncipes e princesas, irmãos do Criador do Universo.

Quem sabe este mundo ainda tenha tempo para que a Ciência possa mostrar aos céticos que a inexplicável Bíblia já tem registrada em suas milenares linhas os avanços tecnológicos ainda não descobertos.

2 comentários:

  1. são leis para preservação da saúde dentro do contexto da época mais do que algo que faça sentido espiritual.

    apenas dois detalhes que deveria ser estudado melhor pelo escritor: quanto ao nome "jeová" e quanto a Moisés ter escrito o pentateuco.
    não podemos nos imaginar superiores comparando a ciencia atual se nao sabemos nem a nossa ciencia teologica.

    Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  2. Opa!

    Sobre o nome Jeová, Yavé, YHWY...

    Não entendi a necessidade de aprofundar sobre o "Eu Sou".

    Também é sabido que não poderia ter sido Moisés que escreveu Deuteronômio pelo simples fato de que ele está morto em determinado trecho do livro. É claro...

    No mais: que a Lei tem intenções de saúde, fica bem claro para o homem contemporâneo. Mas na época, tudo parecia ser tola superstição.

    Não sei se entendeu a intenção da reflexão...

    ResponderExcluir