23 de agosto de 2010

Em nome de Jesus

por Zé Luís

“Diga-me com quem tu andas, que te direi quem és” - disse Jesus a quem o testava sobre ser profeta e saber sobre a vida de todos.

“Não cai uma folha de uma árvore sem que Deus assim não o queira...”

Coisas que NÃO existem na bíblia, mas sempre as ouvi como máximas ditas pelo Mestre.

“Não disse, mas poderia ter dito” - disse um amigo, teólogo de botequim(se é que isso é possível). Questionei o sr. “sabedeza” - segundo ironicamente ele alega ser – sobre como essas percepções apócrifas de cunho pessoal poderiam ter consequências maléficas aos filhos do Reino.

Comuns são as histórias sobre gafes e confusões teológicas nos púlpitos:
-Jesus também era músico! - afirmou o pregador. Diante da plateia perplexa, sacou a bíblia, indo até o episódio sobre a viúva de Naim, se atendo ao trecho onde o Mestre se encontra no cortejo fúnebre de seu filho.
-Perceba! - apontava para o versículo, vitorioso, fazendo gestos de quem toca um cavaquinho - “...e tocando a esquife...”.

Um dicionário já teria resolvido essa questão. Dentro do mesmo trecho, Ariovaldo Ramos conta que presenciou outra pérola, onde o pregador, na tentativa de explanar sobre a displicência dos chefes de família, usou a a pobre viúva de Naim como exemplo, e seu marido como peça chave da sua explanação. Detalhe: para ele, Naim era o marido (quando é sabido que é o nome da cidade).

Certa conhecida queixava-se de sua falta de memória, e dizia: Existe um provérbio que diz que “o justo tem sua memória abençoada” e eu fui justificada pelo sangue de Jesus! -dizia. Salomão se referia a forma que lembrariam dele, após sua morte, expliquei.

A coisa não para por aí: Se propaga para doutrina.

“Tudo que pedires em oração, em meu nome, será concedido!”

A partir desta máxima, muitos ensinam que basta que após a série de petições de nossa ladainha, basta completar com um “em nome de Jesus, amém!”.

“Deus: dá-me as mulheres que eu deseje,independente se sou comprometido, dá-me armas para que eu destrua meus inimigos...melhor! Quero que os sufoque! Que os mate engasgados. Que os arquivos onde minhas dividas estão registradas peguem fogo, e que a empresa que financiou o carro que eu não posso pagar, abra processo de falência e eu não tenha que pagar as 54 prestações restantes, que meu currículo de piloto de avião inexperiente seja aceito no lugar do experiente (mesmo não tendo o mínimo de experiência com horas de vôo: Oras! Tu capacita os escolhidos!)...
Peço isso tudo e assino, em nome de Jesus... amém (amanhã, por ser de oração, voto com novas petições)”

Sim. Já ouvi orações assim. A do Pai Nosso mesmo ninguém gosta muito. Aquele papo de pedir para Deus nos perdoar conforme nossa forma de perdão é um tiro no pé.

Essas petições são como se meu caçula – de 10 anos - me pedisse um AK-47 para testar sua capacidade de me fazer realizar cada capricho de sua alma.

Paulo afirma que os que não conhecem a bíblia, tem Deus escrito nas tabuas dos nossos corações, assim como a eternidade oculta em suas consciências.

Não somos inocentes quando fingimos não entender a verdadeira natureza do Criador, distorcendo trechos para que se adequem a nossa filosofia pessoal.

Quando uma “grande novidade teológica” surgir em seu púlpito, e você, por algum motivo não tiver o conhecimento bíblico suficiente para compreender aquilo, pense se o Cristo que te salvou falaria daquela forma.

3 comentários:

  1. Interessante...
    Zé, sem aviso prévio, fiz uma cópia do seu texto e estarei divulgando no blog do qual participo. rsrs
    Desculpe a "cara de pau", mais caso haja algum problema, vejo para retirar o post.
    No mais, somente que o Eterno continue lhe abençoando e dando graça...
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Oi Zé! Isso só confirma o que sempre afirmo: - Tem gente demais nos púlpitos!

    ResponderExcluir