5 de agosto de 2010

Sobre Jejum, obras e Isaías 58

Imagem:Yun

    Por Zé Luís

Fui discipulado em uma igreja pentecostal, e estou ciente que essas denominações apresentam divergências culturais/ “doutrinárias” em relação àquelas que não aceitam o comportamento carismático.

A tal consagração, necessária para que os trabalhos feitos em prol do Reino, sempre foi receita pronta para garantia de êxito nas empreitadas espirituais. Aprendi logo no início do Caminho que os jejuns faziam nossa voz ser ouvida nos céus. Ou seja, de alguma forma, a abstinência chamava a atenção Divina, nos fazendo mais audíveis, furar a fila de petições na bandeja que está na mesa de Deus.

Para mim, isso sempre foi muito confuso: quando espírita, entidades da Umbanda, por exemplo, solicitavam sua devida oferenda, de acordo com sua “origem”: se espírito das águas, um tipo, se das matas, outro, se esquerda, outro, e assim por diante. Oferendas e sacrífícios são coisas típicas de religião, aquela coisa mercenária do "planta-colhe-não planta-não colhe".

Acertadamente, me foi explicado que o Cristianismo era Cristo, e não podia ser tratado como religião. 

A aparente contradição está quando Ele mesmo alega não ter vindo desfazer a lei, sendo o jejum uma prática descartada, sendo essa, recurso espiritual poderosíssimo para o que ia enfrentar nos dias de uma de suas grandes tentações (além de um hábito saudável quando bem administrado. Pergunte a um médico).

Algumas igrejas neo-pentecostais ensinam o “jejum parcial”, que consiste em abster-se apenas de determinado alimento, uma espécie de consagração só para alcançar sucesso em pequenos eventos.
 
Quando li Isaías 58, tive que reler mais algumas vezes, para ter certeza do que havia entendido: Deus, através do profeta, fala como num desabafo, sobre o povo fiel que amava conhecer as Escrituras, de ouvir a Palavra, e que jejuavam sistematicamente, para que suas vozes fossem ouvidas . Tudo conforme o protocolo.

E isso deixava o Criador estranhamente aborrecido.

Ele sugere outro tipo de sacrifício pessoal: o de ajudar quem precisa, de se compadecer com a dor alheia, dividir o pão com quem tem fome.

Caímos então, no problema de Deus cobrando obras. Se não somos salvos por obras, e sim pela Graça, por que Deus nos chama atenção para essas atitudes?

A resposta é simples: o sintoma de uma conversão legítima é que alguém que seja consciente de sua salvação certa e gratuita – para ele, sinta-se impelido compulsivamente a ajudar, independente de quem, mesmo ciente que isso não acrescenta um centímetro da largura da Porta que lhe foi dada.

A frustração divina expressada na voz do profeta é justamente essa: por que pessoas que se dizem tão apegadas a leitura literal não conseguem captar a essência das Escrituras, a ponto de mudar suas atitudes cotidianas.

Deus questiona o porque de seus filhos, ávidos alunos, não praticarem nada em como ser como Ele é: rico em ajudar, em prestar socorro, em praticar justiça, em buscar o que era correto.

Jesus, ao chegar em sua última visita a Jerusalém, chorou. Chorou por um povo que se apresentava como povo Dele, mas não conseguia reconhecê-lo ali, e portanto, nunca aprendeu como fazer jus ao nome de sua bela cidade. Salem, do misterioso Melquisedeque, é a mesma Jerusalém chorada pelo Mestre. Salém significa paz, Jerusalém é “Fundamento da Paz”.

Paz se faz com ações planejadas no céu. Basta buscarmos em cada ato pessoal praticado por Deus através de nossa vida.Isso seria vida em abundância.

8 comentários:

  1. Arendendo com o mestre confuso.

    Interessante que os que jejuam são capazes de Hiroshima.

    ResponderExcluir
  2. Se não somos salvos por obras, e sim pela Graça, por que Deus nos chama atenção para essas atitudes?

    A resposta a esta pergunta é:

    Porque a fé sem obras é morta.

    ResponderExcluir
  3. A resposr a sua pergunta:
    Se não somos salvos por obras, e sim pela Graça, por que Deus nos chama atenção para essas atitudes?

    Porque a fé sem obras é morta.
    Essas atitudes devem existir na vida do cristão em demonstração de sua fé, se Cremos no Senhor Jesus, devemos agir como Ele, praticando boas obras.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ruth.

    Luthero citou esse livro como pedra no seu sapato.

    Em verdade, um sinal óbvio de quem é salvo pela Graça é não conseguir ficar indiferente às misérias humanas.

    As obras nos que Cristo salvou tem como sinal de evidência, obras. Alguém que se diz lavado e remido, mas é incapaz de dar um copo d'água a um pedinte, não pode dizer que é um salvo. A fé nesse, na verdade é morta.

    ResponderExcluir
  5. interessante e limpido o comentário a respeito do cap. 58 especialmente sobre jejum.Deuso abençõe
    jonas

    ResponderExcluir
  6. Fazemos a obra por que somos salvos em Cristo Jesus e não para sermos Salvos.

    ResponderExcluir
  7. A obra de Deus tem que ser feita para que outras pessoas possam conhecer o amor que Cristo tem por nós... Já imaginou um mundo se Deus não tivesse levantando pessoas pra obra ?? Certamente estariamos perdidos e no pó, nas profundesas.. Através da fé conseguimos alcançarnossos objetivos.

    ResponderExcluir
  8. Irmão o jenjum que agrada a Deus é atender ao necessitado. as pessoas acham que é ficar sem comer por um certo tempo, mais não é nada disso. NÓS TEMOS QUE TER A FÉ E A OBRA, E A OBRA É AJUDAR UNS AOS OUTROS NO QUE FOR PRECISO.
    veja o que tá escrito:

    Mateus 12:7 Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício
    Oséias 6:6 - Porque eu quero a misericórdia, e não o sacrifício; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos.

    Lucas 10:37 - E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira.

    Mateus 9:13 - Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício.
    Provérbios 21:21 - O que segue a justiça e a beneficência achará a vida, a justiça e a honra.

    Oséias 10:12 - Semeai para vós em justiça, ceifai segundo a misericórdia; lavrai o campo de lavoura; porque é tempo de buscar ao SENHOR, até que venha e chova a justiça sobre vós.

    Colossenses 3:12 -Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade;

    Zacarias 7:9 - Executai juízo verdadeiro, mostrai piedade e misericórdia cada um para com seu irmão.

    Salmos 109:16 - Porquanto não se lembrou de fazer misericórdia; antes perseguiu ao homem aflito e ao necessitado, para que pudesse até matar o quebrantado de coração.

    Proverbio 14:31 - O que oprime o pobre insulta àquele que o criou, mas o que se compadece do necessitado o honra.

    GRAÇA E PAZ

    ResponderExcluir