3 de setembro de 2010

Depois dos 30...

Zé Luís

Cientistas explicam que começamos a envelhecer por volta dos 30 anos. Embora não seja necessário – podemos perceber nitidamente essa fase - médicos detalham e documentam cada progressão da deteriorização do corpo: as rugas, antes praticamente inexistentes, começam a tomar conta gradativamente dos cantos dos olhos, até que o rosto esteja tomada por elas.

As mulheres vão começam a perder sua massa muscular numa proporção de 1% a 2% ao ano, aquela rapidez na cicatrização dos eventuais machucados começou a ficar mais morosa. A “franja do adeus”, aquela parte da gordura de nosso antebraço chacoalha cada vez mais com um simples “tchau”.

Imaginar a rapidez que meu corpo ganha peso, mesmo comendo pouco, era algo que o garoto que fui jamais acreditaria se pudesse voltar no tempo e contar, o avanço da queda do cabelo e mesmo os grisalhos que, de uma hora para outra, tomaram minha cabeça, a luta diária contra eventuais fantasmas depressivos que tentam incessantemente roubar o sentido da continuidade da vida...

Certamente, não fomos feitos para envelhecer. Envelhecer é um processo gradativo, diário, incessante, informando insistente sobre estamos caminhando para nosso próprio funeral. O tempo nos envelhece um dia por dia, e as vezes a dor acelera o processo.

Por mais que todos, sem exceção, provem dessa experiência de caminhar inevitavelmente para o fim, nossos planos para o futuro sempre estão lá, impulsionados por uma certeza de que continuaremos existindo.

O primordial Adão, que antes de cair sempre foi moço, sabe Deus durante quanto tempo, deveria ter desenvolvido muitas habilidades. Imagine o que poderíamos alcançar se ainda tivéssemos a longevidade dos primeiros humanos, sem parecermos com um maracujá passado já no primeiro século de existência.

A Palavra diz que no coração do homem foi plantada a eternidade.

Por isso não aceitamos o caos óbvio. Por isso a Ciência, com todos seus argumentos incisivos, claros, não consegue nos fazer desistir de Deus.

Fomos projetados para ser eternos. E o projeto não estar saindo conforme o projeto inicial é a real razão do desespero humano.