30 de outubro de 2010

O preço de cada um

por Zé Luís

Quando solteiro – a muito, muito tempo atrás, quando Jesus era apenas um nome indesejável em minha vida, um filme que estava em evidência era “Proposta indecente”, onde um milionário oferecia um milhão de dólares para passar uma noite na cama com Demi Moore, graciosa esposa de um moço chato e pobre. Era o assunto em todos os lugares(claro, na época a Globo dava bastante destaque ao filme).

Por conta do assunto, um incidente ocorreu, na época, numa empresa onde trabalhei: um rapaz conversava com a telefonista da empresa sobre o tema do filme, onde ela confirmava com todas as letras:
-Por um milhão de dólares? Já tinha ido meu amigo... nossa! O que é isso? - perguntou ela ao ver os dez cruzeiros que o moço jogara em seu colo.
-Para você deitar comigo...rapidinho... meia hora...
-Você tá pensando que eu sou o quê! - rosnou ela, com dedo em riste abanando em seu rosto. Ele , calmo, pega malicioso o dinheiro de volta.
-O que é nós já sabemos. A questão agora é acertar o preço...

A velha questão de que cada um ter seu preço é cíclico e não deixa de ser atual: está entrelaçado com moral e ganância, a necessidade que justifica a atitude claramente vil, a antiga lenda de vender a alma ao diabo – como se a fosse nossa – a troco de alguma coisa impossível (como sele fosse capaz de nos dar essas coisas ou pessoas).

Certamente, as igrejas se apinham por conta destas trocas mercenárias: está bem claro todos os atributos de Deus, seu poder ilimitado, sua capacidade de reverter QUALQUER situação, se assim Ele quiser: basta que você faça a oração certa, aquela que O comova, como se jogasse pedras na janela de seu castelo, esperando que apareça e possamos pedir nossa coisa importante. Pelo menos, é assim que pintaram Deus.

Vou a Deus, e espero um benefício, faço promessas, barganho sacrifícios para pagar o presente: serei bom, honesto, viverei segundo o conceito do que é religiosamente correto. Falarei de coisas espirituais, serei ovelha... desde que me torne imune às dores que a vida traz. Faço qualquer trato, desde que Você me forneça os bens...

Quando a frustração chegar então, por andar naquele caminho que inventamos, e nos enganar com a ilusão que nossa teimosia obriga o Mestre a estar lá – e não estiver, então nosso ego tomará rumos piores: reclamaremos abertamente das atitudes de um deus – que certamente não existe, fingiremos estarmos satisfeitos com nosso discurso mercenário sobre metodologias inequívocas sobre o mecanismo que põe o Criador contra a parede, e o obriga a realizar nossos desejos pessoais e mesquinhos.

Quando se põe um preço qualquer para permanecer com Deus só mostra quem somos, independente da aparente nobreza de nossas razões.

Por isso aquele que crê, será salvo, e o que não, já está condenado, sem juízes nem juri: o que somos já está claro a nós e a Ele: é apenas uma questão de se abanar o preço certo.

5 comentários:

  1. PoiZÉ...

    Só mostra quem somos:

    crianças birrentas, caprichosas, egoistas que batem o pé quando não é feita sua própria vontade.

    Esse toma lá da cá, me lembra 2Reis 5:1.19 que denuncia essa alma PAGÃ da troca.

    É o que acontece nos dias atuais com os "fiéis" que lotam os templos, que ainda que tenham no coração o desejo sincero de adorar a Deus, estão enganados pelos dirigentes malas, MAS também estão VICIADOS, daí se acomodam, mergulhando nessa patologia e não buscam uma compreensão acerca do verdadeiro Deus.

    Abs,

    R.

    ResponderExcluir
  2. O mais incrível é que mesmo sabendo disso tudo as vezes caimos no conto de "trocar" com Deus... somos assim, falhos...mas ele nos ama!!!

    ResponderExcluir
  3. Uma vez vi o pr. Ariovaldo Ramos pregando:

    "O que tem valor não tem preço. Se alguém pega algo de valor inestimável e coloca um preço, independente de qual seja, esta "coisa" acaba de perder o valor para o proprietário."

    Hoje em dia o evangelho e o sacrifício de Deus tem sido novamente tratado de forma leviana. E as pessoas que o fazem e as que "consomem" estas práticas deveriam lembrar que o nome dado a manipulação espiritual, no caso aqui envolvendo Deus, se chama feitiçaria.

    É uma pena que tanto tem se perdido dessa forma e a maiora das pessoas evita o conflito com esses desvios do que está na palavra, usando a desculpa da tolerância tem evitado pregar a verdade.

    Por mim me contento em ser um servo de Deus, não o que aparece ou faz mais coisas, mas se estiver entre os mais arrependidos pelos meus erros e pecados já poderei dizer que sou um homem feliz.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada por estar nos seguindo. seu blog é muito chique. Nos faz sorrir. Rrs
    Deus te abencoe. Pra. Thais
    www.palavradevidaaocoracao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Não tinha lido este texto ainda...Gostei muito!Como sempre né? rs,rs

    ResponderExcluir