7 de novembro de 2010

Lugares escorregadios

por Zé Luís

Quanto a Deus? Nenhuma dúvida sobre sua bondade com os que são honestos em sua alma.

Quanto a mim, quase abro mão de seu conselho e Caminho: tive inveja dos que agem como idiotas, dos que são deliberadamente maus e mesmo assim prosperam?

Ao que me parecia, sempre vivem bem, constantes em suas forças e decisões, tem um fim de vida tranquilo como uma praia paradisíaca e particular. Esse ar superior de aristocracia parece os proteger dos duros trabalhos de nosso cotidiano, colocando-os acima de nós, seres humanos comuns.

Arrogantes, não tem problemas de consciência quando mandam destruir quem lhes incomoda, sua prosperidade é tanta que seus bens estão acima do que podem calcular. Tem nesse fato, o motivo para pensar que são realmente especiais e que estão acima do Bem e do Mal:

Não há deus algum, dizem, faremos o que melhor nos aprouve para que nossa prosperidade se mantenha acima de nosso entendimento. Quem nos punirá? Quem nos aplicará juízos se somos os donos da terra? Que deus que nada...

Essa vitória ímpia é realidade comprovadamente averiguada na vida, e diante disso, pensei: de que vale manter-me numa luta em prol de minha ética e moral pessoal? Como fui tolo em buscar essa pureza e ter me afligido tanto! Tentar meditar nisso é sempre doloroso, e leva-nos a pensar – imbecilmente - em levantar os punhos aos céus em sinal de protesto contra o Altíssimo.

Em meio às dores de aparente injustiça, a lucidez iluminou algo em minha alma. Nítido e límpido estava agora o entendimento daquilo em minha mente:

Estes lugares por onde eles trilham, são feitos para escorregar. De tão prósperos, estão inchados, e certamente, a qualquer momento, tropeçarão. Tu, Papai, deixou-os lá, exatamente onde o coração destes homens que o detestam queriam estar. Estão lá segundo a oração que fizeram ao Deus que não acreditam.

É de repente que chega a notícia: acidente vitimou fulano, overdose ceifou a vida de milionário, tragédia na queda de um avião. Um tombo qualquer em alguém que está muito pesado para se reerguer. Como um sonho que morre pela manhã, a vida deles passa como se nunca tivesse existido.

Não entendia isso, e dentro de mim, tive como amargo o dia em que escolhi trilhar seus pastos. Meu coração não havia ainda sido lapidado, e por isso pensava com a profundidade de uma anta. Apesar disso, Pai, não me rejeitaste como eu bem merecia, continua me guiando até que um dia essa peregrinação me leve a Tua presença definitiva.

Apesar de meu corpo e alma se desfazerem de forma dolorosa, tenho em Ti minha fortaleza, e a parte mais preciosa que achei nesta vida. Por isso, tenho em contar seus feitos o prazer que esta existência pode me oferecer.

Está é uma releitura pessoal do Salmo 73, de Asafe

4 comentários:

  1. PoiZÉ...

    Ao soberbo, diz o SENHOR:

    "Se te remontares como águia e puseres o teu ninho entre as estrelas, de lá te derrubarei".

    (Obadias, verso 4)

    ResponderExcluir
  2. Que lindooo Zé!!! preciso dizer q amo esse salmo? amei sua releitura.
    Ao acabar de escrever esse comentario, vou ter q pedir perdão a Deus...tô com uma inveja do seu texto...rsrs

    PS. Tô trabalhando até tarde hj e enquanto "rodo" umas paradas aqui, me atualizo no seu blog...

    ResponderExcluir
  3. Queria q fossem minhas essas palavras...

    ResponderExcluir