15 de dezembro de 2010

Eminem e Sodoma


por Zé Luís



“Desculpe mamãe...
Eu nunca quis te machucar...
Eu nunca quis fazer você chorar, mas esta noite, eu resolvi botar o lixo para fora..."(tradução aproximada)

Eminem, polêmico rapper americano, chocou o mundo quando cantou sua “homenagem” a mãe, destilando rancor, enquanto o clipe mostrava-o preparando a cova dela.

O clipe conta as agressões da mãe contra o cantor quando o garoto, suas bebedeiras, seus amantes, sua falta de carinho. Creio que ninguém imaginaria que um dia aquele fedelho maltratado e insignificante pudesse sobreviver, quanto mais denucniar ao mundo todo o que ela fez.

Ele não teve compaixão, nem soube poupar a própria mãe da vergonha pública, por não saber o que era isso. Não conheceu isso em sua formação.

O cantor é conhecido por seus relacionamentos problemáticos, e já teve casamentos destruídos. A própria mãe o processou com interesse apenas em conseguir parte de sua fortuna de pop-star.

As vezes penso em um mundo feito de gente construída em rancor. Gente que ensina a sua posteridade o que é dor, maldade e indiferença, prosperando de geração em geração a desnecessidade de compaixão.

Crescer em um ambiente hostil, onde ele repassará sua amargura para o filho, fruto de uma relação fugaz qualquer, onde tanto faz se ele vive ou morre.

A bíblia diz que o mundo caminha para isso, e mesmo para aqueles que declaram conhecer o Amor verdadeiro, esse carinho involuntário e nativo se escoará, sem parecer nunca ter existido.

Fica fácil entender o genocídio de Sodoma.

Quando ouço falar em Sodoma, não relaciono a prática homossexual. Penso na falta de condições que aquelas pessoas tinham em amar, que já comprometia até a mais tenra criança. Ali reinava o ego absoluto, onde o Eu era tudo, e o Eu Sou, nada. Gerações após gerações de gente nascida na maldade, e que só podia prosperar maldade.

Um mundo de pessoas mal-amadas, amargas e decepcionadas com tudo, inclusive com o que se conta sobre Deus. Onde meu desejo não pode ser brecado, onde minha libído não pode ser contida, onde o amor Eros virou um demônio que arrasta pelos cabelos quem quer, por onde quer.

Esse tempo vem, irremediavelmente, para nossa angústia e pano de saco.

Quando alguém diz Maranata!, sem saber pede para o tempo do fim do amor chegue logo: o amor que tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

7 comentários:

  1. Fiquei chocada c/ o vídeo... e concordo com tudo que vc disse.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do seu texto e concordo com seu pensamento ou sentimento.
    Fiquei curiosa e fui procurar a tradução da música que é loooonga, e acredito que ele só se lembra da letra pela mágoa e raiva que é viva dentro dele.
    A falta de amor mata, mas ainda morto a pessoas continua passando adiante toda raiva e destruindo outros em seu caminho - Sodoma.

    ResponderExcluir
  3. Considerando o que o irmão diz sobre Sodoma, talvez Deus tenha sido injusto ao queimá-la. E o livre-arbítrio?
    Estaria errado o apóstolo João em dizer "maranata"?

    ResponderExcluir
  4. Olá Oziel.

    Na verdade, disse exatamente o oposto: Que para Sodoma, não havia solução. Apesar da bíblia revelar uma atitude homossexual, creio que o comprometimento moral e ético era bem mais grave e irremediável do que isso. Mesmo com as crianças.

    Tanto que, mesmo Ló, o salvo da cidade, transa com as próprias filhas, gerando a descendência que seriam dois povos inimigos dos hebreus.

    Dizer Maranata, é dizer: Ora, Vem Senhor Jesus! Abrevia esse fim!

    Mas a Palavra também diz que Deus não se alegra na morte do ímpio. O mundo caminha para um imenso genocídio. Será que Ele ficaria feliz com isso, quando seu Filho morre para que isso não aconteça?

    Sabemos que isso está escrito, previsto, e ver essas coisas acontecer é ver a bíblia se cumprir, embora não me agrada tantas pessoas morrendo no erro(algumas delas, amadas).

    E você?

    ResponderExcluir
  5. Olá Zé Luis
    Quem se agrada ou não se importa em ver tantas pessoas morrendo no erro demonstra falta do amor de Deus no coração, e infelizmente, corre também o risco de ir para o mesmo lugar dos ímpios.
    Concordo que é um estranho dilema ansiar pela volta de Jesus e ao mesmo tempo se preocupar com a salvação dos perdidos.
    O texto bíblico que fala sobre a transa de Ló com suas filhas dá a entender que ele foi embriagado por elas, e que, no momento do ato, ele não estaria consciente do que estava ocorrendo.
    A situação terrível que Sodoma e Gomorra se encontravam trazia menos revolta para Deus do que a situação de Judá.
    Os profetas diziam que Judá merecia muito mais castigo, pois conheceram a Deus de uma forma que nenhum nativo dessas cidades conheceu.
    Como crentes em Cristo, precisamos vigiar cada vez mais.
    Que Deus nos abençoe.

    ResponderExcluir
  6. Valeu Zé... Ótimo texto... Deus continue te abençoando e te enchendo de graça...

    ResponderExcluir
  7. Valeu Zé... Ótimo texto... Deus continue te abençoando e te enchendo de graça...

    ResponderExcluir