20 de maio de 2012

Adiantando as coisas prometidas

por Zé Luís

Dia desses, procurando um bendito documento – daqueles que insistem em desaparecer justo no tempo em que você precisa desesperadamente deles – desmontei a parte da estante onde minha mulher destinou às minhas papeladas, apostilas, manuscritos e livros em geral (com assuntos que variam desde teologia a receitas de pão de queijo, passando por música, desenho, informática, cursos de CIPA... e outros milhares de assuntos aleatórios que não lembro e não sei por que ainda mantenho guardado...).

No processo de desmontagem de tudo – claro, demorei três horas e não achei, a Cris veio e encontrou o envelope em 3 minutos – acabei reencontrando muita coisa interessante, velhos estudos teológicos sérios, de gente que hoje nem é tão séria assim, umas dicas de HTML que eu tinha esquecido, umas escalas musicais que não praticava havia anos, uma receita de pudim de leite em pó que é um espetáculo...

Nem lembrava de uma apostila que eu mesmo havia escrito, um livro de quase 200 páginas, conto que fiz associando mitologia judaica, causos nordestinos e uma série de personagens que nada mais eram que meus escritores preferidos...

Li aquilo e agradeci a Deus:

Foram quase 200 páginas em A4, Semanas e semanas gastas, horas de sonos perdidas, mas valeu a pena: hoje sou grato por aquela porcaria nunca ter sido editada.

Fazem quase 10 anos que escrevi, e pouquíssimas pessoas se aventuraram a ler. Agradeço a esses bravos heróis pela complacência com meu ego, embora não entenda o porquê de nunca terem me falado a verdade: erros infantis de português, concordância gramatical, falta de concatenação de um assunto para outro (na minha cabeça fazia sentido, sério, mas tempos depois, lendo como alguém que não sabia do que se tratava, me perguntei: como um ser humano pode pensar tanta bestagem).

E se eu desse um azar e a coisa fosse parar em alguma editora e me lançasse no mercado naquela época? Eu que hoje já sei que antes do “p” e “b” é sempre “m” e não “n”! Aprendi que não se põe “a” diante do “tempo” e sim “Há”, que não existe “seje”, e sim “seja”...

É uma evolução... lenta, mas uma melhoria, distante do meu estilo de anos passados. Estilo mula analfabeta.

Temos esse desejo natural de querer adiantar as coisas, mesmo quando não temos condições de realizar aquilo que pedimos a Deus, e Ele, em um momento no tempo, disse que o faria, e cuida, muitas vezes, para que não tentemos antes da hora.

Adiantar certas promessas fazem com que geremos coisas tortas, Ele nos promete dar um Iphone, e compramos um I-China paraguaio, promete um Isaque, mas transamos com a empregada e geramos um Ismael (que a longo prazo lutará contra tudo que você gerou em sua promessa, essa sim, vinda no tempo certo). Fazemos campanhas de oração na esperança de arrombar nosso destino e adiantar aquele momento no qual ainda não temos condições de realizar, quando ainda não sabemos escrever, falar, ter a experiência e conhecimento suficientes para alcançar aquilo que Ele reservou.

Vejo muitos, nesses tempos onde a igreja promove o “ter” ao invés do “ser”, e percebo que não são poucos os que querem liderar, mandar, comandar, mas não buscam se aprimorar em seu conhecimento e formação, para quando a oportunidade vier. Assim, quando o helicóptero chega, não temos brevê que nos habilite, e como no Reino não há desperdício, seu reinado passará para outro, até que entenda que Jericó foi dada a Josué para ser conquistada não através de pouca luta.

Hoje penso que, se um dia tornar-me escritor, gostaria sinceramente de não ter aquele livro no meu hall de escritos impressos (ou mesmo no meu pequeno currículo de escritos). Aquilo me parece infantil, raso, com ideias ranças. Denunciaria demais minha mediocridade.

Pensando melhor, acabando de escrever esse desabafo, considero seriamente a possibilidade de deletar esse blog.

2 comentários:

  1. kkk fiquei curiosa pra ler... pq vc não passa um corretor ortografico e publica aqui no blog??? kkk

    Ah, e nem vem com essa de deletar o blog hein? Onde mais eu vou ler essas "bobagens" que me edificam?

    Da sumida que sempre passa por aqui...
    Angela

    ResponderExcluir
  2. Olá... Muito obrigado por essa postagem... me identifiquei "pacas"... Deus o abençoe!!!
    Antonio
    www.damocidade.blogspot.com
    www.horabendita.blogspot.com

    ResponderExcluir