27 de junho de 2012

Anunciação - Alceu Valença - uma canção sobre a 2ª vinda de Cristo?

por Zé Luís

Sim: quando ouvi essa música - e tive capacidade de análise, sendo cristão, logicamente associei ao que canta a letra à 2ª vinda de Cristo: basta ouvir e ficar clara a intenção de divulgar o santo nome do Mestre...

Será? 

Analisando bem, a canção foi composta em 1983, numa época onde ainda se respirava a castração imposta pela Ditadura, e um amigo de Alceu Valença, um certo Stuart Angel Jones, morto pelo regime militar, deixava claro que seu "desaparecimento" não havia sido em vão, a voz de "um anjo" lembrava antigas conversas, sobre o dia em que a liberdade voltaria e poderia-se novamente expor pensamentos.

A liberdade de expressão: É essa a "messias" profetizada na canção.

Triste. Gostava de crer que a música falava sobre Jesus, mas fala de um outro homem. Falemos do tal anjo:

Stuart era filho do americano Norman Jones e de Zuleika Angel Jones, mais conhecida como Zuzu Angel, figurinista e estilista conhecida internacionalmente. Bicampeão carioca de remo pelo Clube de Regatas Flamengo na adolescência,[2] ele foi estudante de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possuía dupla nacionalidade, brasileira e americana.
Na virada das décadas de 60/70, passou a militar no MR-8, grupo de extrema-esquerda que fazia a luta armada contra o regime militar, onde usava os codinomes 'Paulo' e 'Henrique'. Preso, torturado e morto por membros do CISA (Centro de Informações de Segurança da Aeronáutica) em 14 de junho de 1971, aos 25 anos de idade. Foi casado com a também militante e guerrilheira Sônia Morais Jones, presa, torturada e morta dois anos depois e também dada como desaparecida.

Morte
Preso próximo a seu "aparelho", no bairro do Grajaú, perto da Avenida 28 de Setembro, na Zona Norte do Rio, Stuart foi levado pelos agentes do CISA à Base Aérea do Galeão para interrogatório. Dele, os militares queriam a informação da localização do ex-capitão Carlos Lamarca, chefe do MR-8 e então o grande procurado pelo regime. Negando-se a falar, Stuart foi então barbaramente torturado no pátio da base, vindo a morrer em consequência dos maus tratos.
A versão mais conhecida e aceita de sua tortura e morte foi dada pelo ex-guerrilheiro Alex Polari, também preso na base, e que assistiu da janela de sua cela as torturas feitas contra Stuart, presenciando inclusive a cena em que ele foi arrastado por um jipe militar, com o corpo completamente esfolado e com a boca no cano de descarga do veículo, pelo pátio interno do quartel,[3] o que causou sua morte por asfixia e envenenamento por gás carbônico.[4] Polari escreveu uma carta a Zuzu Angel, contando-lhe o ocorrido com o filho. De posse dela, a estilista denunciou o assassinato de Stuart - que tinha cidadania brasileira e americana - ao senador Edward Kennedy, que levou o caso ao Congresso dos Estados Unidos.

Mais informações podem ser vistas aqui.