5 de novembro de 2012

A morte ainda não foi vencida

Sim, caros amigos. Você leu certo. E não são apenas fatos (como I.M.L.s lotados e cemitérios com contínuo aumento de população, horas e horas de noticiário informando novas tragédias).

Biblicamente falando, ela só será aniquilada finalmente -  juntamente com o inferno - no fim do último livro da Bíblia, o que está designada como a "segunda morte", o fim derradeiro das coisas que não existirão a partir daquele momento. Ou seja: nos 45 minutos do segundo tempo de nossa História.

A morte é cruel mesmo, querido. Não tem jeito: apelar a ela como ferramenta de fim das dores é algo não muito inteligente, já que o Cristo afirma que existem uma segunda morte, embora não se diga nada sobre uma segunda chance nela.

Ela não espera até completarmos nossas aspirações, desfazer enganos, conseguirmos declarar nosso amor, nem executarmos nossa vingança, completar nossas tarefas, apagar históricos e e-mails que não devem ser lidos.

Em um momento se está indo para algum lugar: trabalho, escola, a casa de um amor, cometer um crime, descer uma escada, comprar algo na padaria e então...

Uma colisão, uma crise, um tiro, um assalto, um escorregão, um aneurisma, uma parada cardíaca, um escorregão, uma brincadeira de mau gosto, a vitória do câncer... e tenha certeza: você sempre achará que seu tempo não foi suficiente.

Como cantava Belchior: "Mas se depois de cantar, se você ainda quiser atirar, mate-me logo: A tarde, as 3, eu tenho um compromisso e não posso faltar por causa de vocês...". Temos a sensação clara que continuaremos a existir independente do que decreta nosso fim, e adiamos esse assunto tão desconfortável indefinidamente.

E assim vivemos, imaginando que ela nunca nos alcançará, até darmos de frente com a coisa e percebermos que, mesmo com 100 anos, o tempo passa rápido demais e daríamos tudo por mais um dia.



Nenhum comentário:

Postar um comentário