18 de fevereiro de 2013

Deus: o grande MainFrame do universo

por Zé Luís

Nesse domingo, falávamos sobre as parábolas de Jesus, e de como o Cristo fazia o uso de situações cotidianas para contar aos ouvintes sinceros as revelações sobre o mundo vindouro. Como vivia em meio a uma sociedade basicamente agrícola, usava exemplos como semeadores, arados, plantações, colheitas. Coisas que elas pudessem compreender e relembrar em suas rotinas.

Embora fosse atemporal falemos aqui de um ser incompreensivelmente atemporal, se usasse exemplos de nosso tempo naquela época – como nossa atual tecnologia -jamais se faria entender, e se fazer compreensivo àquele a quem queria ensinar era sua meta primordial.

Hoje, possivelmente, se falasse a nerds - ou viciados em informática como eu – aplicaria o ensinamento de uma forma diferenciada. Imagine a descrição do Gênesis como quem fala de uma rede de computadores.

Deus, o grande servidor - ou o Grande Mainframe – mantinham todos numa imensa rede, e montou seu ambiente de rede chamado “Terra”, onde diversos tipos de aparelhos foram gerados segundo sua criatividade e habilidade em engenharia. Dentre eles, criou um aparelho segundo sua imagem e semelhança, um computador capaz de processar informações como Ele mesmo, o grande MainFrame, e a esse personal computer chamou Adão. Foi designado a este, tarefas de catalogar os outros aparelhos criados, dando nomes a cada um deles.

Um dia, O Grande MainFrame, aquele onde habita todos os dados e conhecimento dos Universos criados e ainda não criados, viu que Adão não tinha com quem parear seu dispositivo, e a partir da tecnologia de Adão, construiu outro computador, Eva, e viu que aquele pequeno ambiente compartilhado entre o par era bom, e seus sistemas operacionais que não necessitavam de nada: atualizações, melhorias de hardware ou software, e jamais se tornariam obsoletos, sendo eternamente equipamentos de ultima geração.

Todos os dias O Grande MainFrame fazia troca de dados com os sistemas ao fim da tarde, rodando naquele ambiente tranquilo, onde se disponibilizavam qualquer aplicativo gratuitamente. O Criador deu ao par de aparelhos sofisticados a liberdade de baixar qualquer um, excetuando o “S.C.B.M”(Software de Conhecimento do Bem e do Mal), informando que se o aplicativo fosse instalado, o hardware estaria irremediavelmente condenado.

Um dia, em um dos aparelhos mais sofisticados, começou a rodar um software maligno, banido do paraíso, e mandou uma solicitação de instalação para Eva:

“Se baixar e instalar o “S.C.B.M.”, serás como o Grande Servidor das galáxias” disse o aparelho com software maligno, tentando convencer os computadores perfeitos a rodar o aplicativo proibido.

S.C.B.M., contrariando as ordens do Grande MainFrame, foi instalado, e sem que se dessem conta, foram formatados, e neles, instalaram um sistema operacional vagabundo, que um dia pararia de rodar com uma tela azul da morte, e seriam sucateados em definitivo.

Quando o grande servidor foi fazer as atualizações, viu que Adão e Eva eram incompatíveis com seu sistema operacional perfeito, e dessa forma, já não mais podiam rodar naquele ambiente, e já não conectavam à rede livre de ataques cibernéticos, sendo lançado à Deep Web, onde gerariam pequenos smarts, tablets, notebooks, mas sempre com aquele sistema operacional que um dia travaria em definitivo, seus hds parariam de gravarjá que nada tinha com a segurança precisa do Grande Mainframe.

Já não eram mais um software livre e seguro, tinham apenas um tempo de uso, e então, um dia, iriam para reciclagem, já que do silício vieram, e ao silício voltariam.

Claro: em nossa história, existirá um dia, um software redentor, que reformatará nossos sistemas, se assim permitirmos, e estaremos pronto para rodarmos em hardwares indestrutíveis, em uma rede livre de vírus e códigos maliciosos, como um dia fomos antes da queda de Adão e Eva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário