4 de março de 2013

Desenvolvida a primeira Célula-Zumbi


Uma equipe de cientistas e pesquisadores do SNLUNM (Sandia National Laboratories and the University of New Mexico), criou uma célula, que após a sua morte se torna uma ”célula-zumbi” e executa muitas funções melhor que a sua réplica viva original.

O processo de desenvolvimento da célula-zumbi, foi basicamente através de um tipo de mumificação de tecidos vivos em escala nano. Primeiramente foi estudado um tipo de revestimento celular com base de sílica, que em células de mamíferos estimula a replicação, criando assim uma réplica quase perfeita. Foi observado que, as células replicantes poderiam sobreviver em ambientes hostis com pressão e temperatura maior do que a célula original conseguira fazer quando viva.
Dados aos estudos biológicos, por se tratar de uma célula mutante, e com capacidade de replicação limitada, é considerada uma célula morta, mesmo que ainda sim apresente ações e características de uma célula viva.

Embora o processo seja citado como um tipo de embalsamento ou mumificação, o líder da pesquisa Bryan Kaehr afirma que a célula é muito mais que uma célula-múmia, pois ela possui um certo tipo de vida, e que no futuro ela pode vim a funcionar perfeitamente.
“O material possui um valioso poder biológico e pode ser convertido em um fóssil reutilizável, que pode ter uma utilização em células de combustível, descontaminação e em tecnologia de sensores, bem como na produção comercial.”

Eles acreditam que esta nova tecnologia será útil em processos nanotecnológicos e na produção industrial.

Também vale destacar que na ficção, a empresa Umbrella Pharmaceutical Inc. produziu um composto médico capaz de reverter o processo de idade das células do corpo humano, que por final mantinha as células ativas após a morte, gerando um caos na população mundial e o inicio do enredo de inúmeros filmes que retratam uma ameaça a nossa existência devido ao desenvolvimento biológico.

Pode parecer exagero sugerir que estaríamos vendo o prólogo de um apocalipse-zumbi, mas não seria a primeira vez que a vida imitou a arte na história humana.

Autor: Marcos Vinícius
Sugestão: Alessandro Carvalho

Postagem via Sunderland Guimarães

Um comentário: