18 de abril de 2013

O difícil caminho de volta do colégio



por Zé Luís

As imagens foram vistas no Ziza e retratam o retorno da escola de crianças de uma aldeia em Zhang Jiawan, na China. Nunca é algo fácil, mas a intenção persiste (no fim, uma dica).

Talvez essa determinação em estudar possa explicar o porquê da China ser o país que mais cresce no mundo, incomodando potências como Estados Unidos. Em países sérios, o estudo é prioridade. Eu sei: parece chavão, e algum oportunista deve gritar: 
"No Brasil isso só existe nos discursos de candidatos, junto com saúde e trabalho".



Tenho amigos próximos que voltaram a estudar, supletivo, na intenção de finalizar o ensino médio. Passam dos quarenta, e depois de um dia de trabalho, compartilham o espaço de aula com jovens na mesma situação. E tem algo que todos sabem, os alunos mais velhos e os professores: 

Aqueles garotos e garotas não estão ali para aprender, e dificilmente passarão dos três meses de estudo, novamente. Eles vem, fazem suas rodas e começam seus assuntos triviais, como se sentassem numa mesa de bar. Pouco se importam se o professor está ensinando como desenvenenar a mãe moribunda.

Precisam de um diploma, apresentar a uma empresa ou a seus pais, algo que possam mostrar numa entrevista de emprego. Nem se importam se forem eternamente profissionais medíocres. E aprender? O que isso tem haver em frequentar uma escola?



Professores? São eles os culpados?

Eles estão em falta. Segundo uma fonte confiável, o déficit do estado passa dos 11.000 profissionais.

Mas para que tê-los? Culturalmente, estudar, ler, absorver conhecimento, nada disso é popular na maioria dos brasileiros. Para ficar mais claro, se você chegou até esse trecho do texto, saiba que se enquadra na elite dos 5% que leem e compreendem o que leem.



A leitura é hábito de poucos no Brasil. Diga-se lá aplicar-se a uma área técnica com mais afinco. Nossos jovens abandonam as escolas por qualquer banalidade, por qualquer linha de pensamento implantada, qualquer lixo que justifique o abandono dos estudos. E de quem é a culpa? 

Do que abandona, claro. Chocante? Incomodo? Não vai mais gostar desse texto depois de se enquadrar no tipo de pessoa que fracassa por W.O.? 

Ou por acaso tem uma aldeia para escalar todos os dias, que esclareça o porque de não estudar mais?

Sei que você tem que trabalhar, ou não tempo para gastar lendo livros quando a vida passa tão rápido. Tem um esquema que fará ganhar dinheiro, sem precisar se esforçar tanto... mas quem está falando de dinheiro? Falo de aprendizado.

Legal: prepare-se para no futuro, servir os que estudaram, aquele nerd que não se integrava nas suas ideias engraçadas e que você gostava tanto de azucrinar.







A dica?



Aproveite para estudar agora, apesar das dificuldades que venham a surgir na sua mente. Certamente você não mora em uma aldeia como essa, retratada nas fotos.

Se você tem tanta vontade de ser único, exclusivo, diferente, seja você mesmo.

Sei que esse post, isolado do mundo virtual, não fará diferença nenhuma, mas vai que...

Nenhum comentário:

Postar um comentário