26 de julho de 2013

DIA DO ESCRITOR (antes tarde do que nunca)

por Fabricio Cunha

Hoje é o dia do escritor. Queria que fosse "meu" dia, mas não é...

Escrever é disciplina de artesão. É tecer palavras com cuidado, uma a uma, pra que aquilo que era desconexo sozinho, se torne uma peça de arte.

Um quadro é a soma de rabiscos, um tapete é a soma de fios, um texto, um conto, uma poesia são a soma das palavras, mas não de qualquer jeito.

São rabiscos, fios e palavras escolhidos com minúcia e rigor, com leveza e beleza.

Quem rabisca, retrata algo; quem tece, expressa algo. Quem escreve, retrata e expressa.

Escrever é a mãe de todas as artes. É o rabiscar a vida em poesia. É o tecer a vida num conto. É esculpir a vida em crônica.

Um monte de gente escreve. Gente irresponsável. Junta palavras como quem junta roupas sujas. O faz de qualquer jeito. Pisa em solo sagrado, manipula objeto santo.

Gente tola, acha que escreve, se autodenomina escritor, poeta...

Para se escrever, é preciso ser escolhido pelas palavras. As palavras são maiores do que quem as escreve.

Por isso eu queria que hoje fosse meu dia. Mas não basta querer, não adianta escolher.

A gente não diz "sou escritor", são as palavras que dizem.

Espero que, um dia, me encontrem e me digam...

Nenhum comentário:

Postar um comentário