14 de outubro de 2013

Uma simples moeda e uma grande surpresa


Creio que a menina jamais imaginou o que seu pequeno pagamento proporcionaria a ela, e por consequência, todos os que ali estavam e puderam desfrutar do que a pequena oferta dada por ela.

Ninguém a coagiu. Talvez ela só tivesse aquilo no bolso, mas ela queria o que aquele homem tocaria com o estranho instrumento. Como imaginar o que aconteceria?

A história não é nova.

Certa vez, após p mais memorável sermão de todos os tempos, o povo estava faminto e não havia barraquinhas de cachorro quente ou um barzinho que fizesse um misto quente. Entre tantas pessoas presentes, milhares, apenas um menino tinha um lanchinho, peixes e pães, suficientes para ele. 

Ele entregou, correndo o risco de ser passado para trás, de ficar sem o pouco que tinha, e experimentar a fome com os milhares dali. Entregar para aquele grupo de pessoas  após entregar aos que lhe pediram, aquele pouco transformou-se em alimento para centenas de famílias. Quem imaginaria? 

Por causa da - MALDITA -"Teologia"(???) da Prosperidade, esse tipo de assunto, a benção de doar, ficou comprometido. Gente desgraçadamente gananciosa que vive inventando porcarias baseadas na Bíblia para arrancar dinheiro do povo impede que o assunto possa ser tratado na forma saudável e nos benefícios que ela pode trazer. Uma pena.



Espero não me arrepender de ter escrito sobre o assunto. Falar da liberalidade de doar é sempre um prato cheio para as distorções cometidas por gente/denominações canalhas.

A propósito, caso queira saber mais sobre esse Hino à Alegria, (ou Ode a Alegria) de Beethoven e do que ele fala, segue o link.

Dica de vídeo de Valdir Perini