5 de abril de 2014

O que acontece com esses paulistanos?

Sentindo-se solitário?

 por Zé Luís

Perambulo pelas redes sociais e o que vejo – agora que se aproxima o período eleitoral e toda manobra política lícita (e ilícita) – é surgir uma série de postagens anti Dilma.

O perfil de muitos que divulgam os ataques são pessoas de famílias tradicionais. Muitas dessas famílias sempre dispuseram de recursos financeiros e estiveram de um lado do muro que não os obrigava a se interessar pela situação política nacional (para que se importar com a forma que eles, minoria abastada, se beneficia? Basta manter as coisas como estão. Qual interesse dos que já tem em correr o risco que outros tenham? Ter que dividir aquelas praias bonitas... não ter mais tantos inquilinos, já que o que era pobre agora compra sua casa e paga prestação ao invés de aluguel. Isso é comunismo!! rs), passam férias no exterior e falam normalmente sem conhecimento de causa.

Usam do argumento do “comunismo cubano” como ameaça a soberania nacional, mas o mundo capitalista – incluindo o Brasil – consome horrores da China comunista, mantendo os cofres daquele país cada dia mais recheado. A ilha que sofre embargo por ordem americana (não sabe o que é embargo? Os Estados Unidos proíbe que qualquer país do MUNDO negocie com eles: os cubanos não compram nada, e também não podem vender nada. Se algum país se meter a besta e o fizerem, os americanos embargarão aquele país também...) Curiosamente, não aplicam a mesma penalidade à China, que também é comunista... mistérios...

Recentemente, em entrevista, Cesar Maia revelou que os opositores do atual governo (com a estratégia para conseguir voltar a ter acesso aos benefícios que as posições politicas oferecem), contrataram mais de 9.000 militantes virtuais para falar mal, divulgar, ofender, a qualquer custo, o partido governante. Não é questão de ideologia, é salarial: eles ganham para isso, independente de quem está certo ou errado, se é ou não ético ou moral.
Dia desses, precisei utilizar os recursos de transporte paulistano, lugar onde esse mesmo grupo de empresários políticos de oposição mandam e comandam há décadas. Ônibus, trem e metrô. Moro no ABC Paulista, e tinha um checape marcado em um hospital na capital. Preferi deixar o carro na garagem e evitar o estressante trânsito daquela região.

Entrei no trem em São Caetano do Sul as 8:10 e sai no meu destino quarenta minutos depois, após fazer uma interligação para o metrô e descer próximo a Paulista.

Assim que fui cuspido na estação que tinha que descer, olhei para aquele aglomerado de rostos colados nas janelas de vidro do vagão e me perguntava.

A questão é essa: com milhares de usuários utilizando aquele tipo de transporte, diariamente, por que o atual governo DO ESTADO (sem relação com a presidenta, pessoal) continua sendo reeleito sistematicamente? Digo isso porque, quem elege essa turma, são os que estão ali, sofrendo até agressões para poder chegar no trabalho. Mulheres usam o trem e sofrem abuso por parte dos oportunistas que se roçam no corpo alheio de forma acediosa, pessoas se acotovelam em busca da mulher posição no vagão a fim de ser expelido na estação onde terá que descer.

Não há como evitar o contato físico naquela situação caótica: eu ainda sou um pouco mais alto e conseguia me equilibrar achando espaço no teto do vagão para apoiar a mão, mas em determinado momento das poucas estações que percorri, era só se deixar ser espremido, em pé, sem poder evitar que alguém encostasse suas partes onde bem entendiam.

Não foi a primeira vez que usei o serviço, que mantém o mesmo sufoco há anos, mas não são poucos os que usam todos os dias. E estes, por alguma idiotice inexplicável, parecem indiferentes àquilo e continuam usando seu voto para manter os responsáveis pelo que é - no mínimo - um desrespeito ao ser humano. O povo, que ali transpira e cansa, parece não enxergar o descaso, parecem não entender que eles não tem que viver aquilo, pois pagam com seus salários muito mais do que o governo – que colhe seus impostos – oferece (lembre-se: nas eleições, eles sempre prometem exatamente o que os impostos colhidos podem proporcionar, mas depois de eleitos, só fazem o que traz lucro pessoal – particionando o bolo pago entre contratinhos que pagam comissões para todo o time que encabeça e está envolvido nas licitações).

Logicamente, essas pessoas, que estão atualmente na liderança política local, sabem como se blindar contra essa ideia “boba” de tirá-los de seus cargos: montam notícias simultâneas em seus jornais, TVs, revistas, rádios, e recentemente, montam equipes em redes sociais. O jogo é denegrir o outro, e fingir que não há o que comentar desse lado onde eles trabalham.

Não me iludo que alguém destes usuários consiga realmente enxergar isso através desse esboço, num site perdido na vasta internet. Eles convivem com isso todos os dias e não enxergam.

Mas a gente tenta.

Um comentário:

  1. Quem fala mal do PT geralmnte são riquinhos que não sabem o que é dureza na vida. Pessoas que sempre tiveram tudo.

    ResponderExcluir