11 de novembro de 2014

Lilith: A primeira mulher criada não foi Eva

O lado negro da lua. Esse era seu nome. A que vive nos deserto, ou a Coruja que grita.

Você aprendeu, através da Bíblia, que o nome da primeira mulher criada a partir de uma costela do primeiro homem era Eva, mas outros povos, incluindo os judeus e sumérios (povo existente antes dos citados nas escrituras, e a qual pertenceu Jó), possuem em suas tradições a existência de uma mulher criada do barro, simultaneamente, com Adão.

Vale saber que esses mesmos sumérios- que viveram milhares de anos antes dos primeiros povos citados nas Escrituras tem em sua literatura a Epopeia de Gigalmesh, que fala sobre um herói e sua sobrevivência a um certo dilúvio. A história de Jó, personagem a quem se atribui essa descendência, é o livro mais antigo encontrado entre os textos sagrados e aponta ter vivido entre esse sumerianos.

Segundo escritos cabalistas, Lilith havia sido criada nas mesmas condições que o homem, do mesmo barro, e dentro dessa igualdade, a mulher anterior a Eva não aceitou o domínio masculino sobre sua vida, exigindo dele iguais condições nas relações (incluindo as sexuais, citadas abertamente nos textos judaícos).

Conta a tradição que Adão não queria mais manter relações sexuais nos termos dela, e que protestava
pela intensidade de seu desejo: "Ela saliva demais!"protestava a Deus e, Lilith, diante das constantes negativas e reclamações de Adão, abandona-o, e vai viver com Azazel, "filho de Deus", o anjo caído conhecido hoje por Lúcifer. Ela gera dele diversos seres - denominados por nós - demônios (outras culturas e crenças dão outras classificações para esses seres, mas não é, por hora, o objeto dessas breves linhas). Outros ainda defendem que ela foi a primeira mulher do exilado Cain, e destes surgiram descendências diversificadas da humanidade.

Além do trecho do profeta Isaias(34:14), não há outra citação bíblica que cite sua existência. Alguns - das teorias conspiratórias - defendem que o texto de Gênesis onde registrava sua origem foi retirado pelos patriarcas machistas de Israel. Leiamos um dos trechos alegados e aparentemente disconectos em seu contexto:

“Criou, pois, Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.” Gênesis 1:27.

Aqui um casal recem criado, assim como todas as outras criaturas, para aparecer logo em seguida um Adão solitário, destoando com o texto anterior. Alguns versículos depois:

“Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea.” Gênesis 2:18.

Percebeu o Criador que ele não ficou bem sem Lilith, e então decidiu criar uma outra, dessa vez dentro dos moldes que existiam na estrutura adâmica, e não mais um ser capaz de se impor pela força, como o já existente homem. Tal linha de raciocínio, daria sentido mais amplo ao texto que se segue:

"E da costela que tinha tomado do homem, o Senhor Deus fez uma mulher, e levou-a para junto do homem.". Gênesis 2:22

Não existem cronologias, e as descrições sobre o tempo de existência o casal tinha quando caiu do Éden, sinalizam para uma radical mudança de ambiente e forma temporal de vida, agora com data para acabar, e chamada de MORTE. O relato cronológico da formação inicial da existência anterior a queda é -propositalmente? - confusa ao entendimento do homem moderno. Até aquele momento, Adão e Eva ainda estavam entre os seres que não morriam.

Há quem defenda, como já ouvi alguns pregadores dizerem, que Vermelho( significado do nome Adão, pelas características da cor do barro que o formou) tenha sentido esse sentimento novo, a solidão, por ver como toda a natureza reagia entre pares, mas Deus em sua onisciência não teria previsto essa carência? Por que justamente na criação feita segundo sua imagem e semelhança, ele não viu a necessidade de um par, como em todas as outras?

Lilith teria saído antes da queda do Paraíso, quando a única restrição para a morte seria provar do "fruto da Árvore do conhecimento do bem e do mal", e dessa forma, não teria provado da condenação que essa nova raça humana recém formada experimentaria.

Lilith teria dado motivos para Azazel (Lev 16:9) planejar a queda da nova criação de Deus, conseguindo permissão de um outro, a ser, a serpente, para incorporá-lo, e assim conseguir se aproximar do casal para tentá-los a desafiar a única restrição divina. O chamado Satan (inimigo) era um conhecido caído e agora, tinha a companhia de uma humana aliada tão perfeita quanto  Adão. Tinha apenas que destruir a raça de imortais perfeitos, e dominar aquela dimensão onde era poderoso.
O plano deu errado: foi igualmente banido,assim como a serpente, e condenado a comer dos restos mortais(o pó da terra) provindos do falecimento dos homens. A partir da Queda, Azazel- induzido pela astuta Lilith? - estaria fadado a gerar morte para que tivesse sua dieta sempre rica.

Muitas outras culturas descrevem sobre essa presença feminina destrutiva e "masculinizada", que ao mesmo tempo seduz e apavora. Sucubus e Incubus, os mais famosos de seus filhos segundo a Cabala, são os responsáveis pelas visões eróticas nos sonhos, e os antigos defendiam que eles roubavam a libido produzida para inseminação de sua espécie.

As "deusas" más (digo deusas no caso de Lilith pela compreensão mundana dela não ter perido sua imortalidade. Biblicamente falando, ela não passa de um outro ser) permeiam as mitologias de varios povos como a perseguição de Afrodite contra Psiquê na mitologia grega, Iansã, entidade guerreira africana, e uma infinidade de outros panteões.

No link, texto de outro autor em pdf, caso você deseje mais dados sobre essa personagem.
 Lilith.pdf