21 de dezembro de 2014

Oração: O abismo entre querer e precisar


Frequentei uma igreja onde um pregador amigo meu ministrou durante algum tempo, mas apesar da amizade, discordava de certos pontos da compreensão que ele tinha sobre a Bíblia. Mas estava ali para ouvir e não para dizer como encarava suas declarações no púlpito.

Foi quando chegou o dia do meu aniversário e ele veio orar pela minha vida. E eu o interrompi.

- Que Deus conceda os desejos do seu coração...
- Não. Isso não, amigo.
- Desculpe? – parou ele com a oração, constrangido.
- O que eu quero não. Só o que preciso. Desejo coisas em mim que se conseguisse poderia destruir a minha vida e de pessoas que estão a minha volta, poderia machucar mais ainda gente que amo. Conheço um pouco a minha alma... Oremos para que Deus me dê apenas o que eu preciso... Melhor! Ore para que eu entenda o que Ele deseja para minha existência.
- Você é tão confuso, meu amigo...
- Eu sei. Por causa disso, do que falam, comprei um domínio na internet e montei um site com esse nome.
- Você quer pedir a Deus compreensão para entender o que Ele te dá na sua necessidade?
- Sim.
- E Ele é sempre bom. Por que questionaria o que Ele te dá?
- Jó o questionou. Acha que sou melhor que Jó?
- Mas Jó teve coisas terríveis!
- Exato. Gostaria de entender quando os presentes indesejáveis chegarem.
- Presentes indesejáveis...
- Sim! – o olhar de meu amigo já desistia de me entender. Insisti mesmo assim no discurso – Nem sempre quero as dores que me fazem caminhar mais firme, entende? Se eu pudesse escolher, teria entrado em Canaã sem a necessária peregrinação que me faz um soldado, e arranca de mim o escravo. Mas as dores nunca são um presente que se espera encontrar entre os presentes de aniversário.
- Acho que entendo...

Desde então, meu amigo mudou sua oração. Ouvi falar que na igreja onde hoje é pastor ele prega essa mensagem. Quando ouvi isso, senti que tinha ganhado outro presente dos céus e creio que as ovelhas que ele apascenta foram igualmente presenteadas.