12 de fevereiro de 2015

Assista: Profeta não é vidente, nem sabe do futuro

Dia desses ouvi um "causo":

Numa igreja, os "profetas" perderam o controle do culto: ninguém mais pregava. O tempo todo alguém levantava no meio da mensagem e começava a falar algo do tipo "Eis que profetizo" ou "Meu servo!...". E assim ia té o fim, interrompendo o sermão a todo momento.

O pastor Ricardo Bitum conta que para botar ordem na casa, chamaram um pastor mais experiente para começar a encabeçar os trabalhos no culto. Já na primeira noite, quando ele ia começar a pregar, um já se levantou no meio da igreja, pondo-se em pé com dedo em riste

- Eis que te digo, ó vaso...
- Pode parar! É hora de pregar a Palavra de Jesus. Por favor: se sente! - disse o pregador, acenando para a pessoa - Sente-se, por favor.
- Servo meu! Tua soberba... - gritou outra, em tom de repreensão para com aquele que buscava calar a "voz do Senhor". Com a mesma calma e firmeza, o ancião se dirigiu a ela:
- Irmã. Agora não é hora de profecia, ok? A Palavra será pregada...

E assim, pela primeira vez em muito tempo, conseguiu-se  completar um sermão naquela igreja. No culto seguinte, quando o pastor pegou para pregar, um crente tornou a insistir. Agora o tom era mais ameno, e buscava elogiar o pregador:
- Meu servo! Em ti me comprazo pelo zelo pela minha Palavra...
- Irmão? Mas o que já conversamos? Agora é hora de pregar o Evangelho... - e abriu a bíblia para lê-la no púlpito. Trinta segundos depois, um outro ainda insistiu:
- Meu servo! Mas nem elogio tu aceitas?

Talvez você, que nunca entrou numa igreja pentencostal com esse tipo de costume, ache estranho. De qualquer forma, segue uma explanação sobre os "profetas" e como isso acontece (ou deveria) nesse trecho do sermão do Pastor Paulo Jr..