14 de fevereiro de 2015

IGREJA ACUSADA DE VIOLAR DIREITOS HUMANOS COM SEUS SINOS

Pelo menos, é o que defende um austríaco.

O arquiteto austríaco Wolfgang Lassy diz que não consegue usufruir há anos de uma boa noite de descanso, já que uma igreja católica o acorda de quinze em quinze minutos.

Há séculos, os sinos da igreja de Linz são autorizados a badalar à noite a cada quinze minutos, perturbando o sono de muitos moradores. Agora, Lassy tenta terminar com a prática de séculos. O austríaco processou a Igreja Católica da cidade e até expressou seu profundo descontentamento em uma carta ao Papa Francisco, que até agora não obteve retorno da Santa Sé.

"Lassy tem sido incapaz de dormir à noite por anos porque os sinos da igreja dobram exatamente 222 vezes a cada noite com um volume de 75 decibéis," afirma o advogado de Lassy, List Wolfgang, ao jornal The Washington Post nesta quinta-feira. Seu cliente mora a 250 metros de distância da catedral Mariendom, onde ficam os sinos.

De acordo com seu advogado, por dois anos Lassy tentou resolver o problema, antes de decidir ir a juri em dezembro do ano passado. Quando ficou claro que os representantes da igreja local não parariam os sinos sem uma ordem do Vaticano ou judicial, Lassy enviou uma carta ao papa.

Nela, disse que uma ação não era a a forma preferida de lidar com o problema, List escreveu: "O repique dos sinos não tem fundo religioso, mas que provoca distúrbios do sono enormes para os vizinhos da Mariendom em Linz, com repercussões significativas para a sua saúde , tais como estados de exaustão ".

"O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em Estrasburgo, declarou que uma noite de descanso é um direito humano", afirma a carta ao Santo Padre. "Por isso, rogamos, Santo Padre, para intervir ... para garantir que o direito humano do povo de Linz em ter uma noite saudável e revigorante de sono seja respeitada e que os sinos não dobrem à noite. "já que Convenção Europeia dos Direitos do Homem de fato proíbe a privação do sono, argumentando que a violação desta regra pode constituir ato de tortura.

A carta ao papa não usa a palavra 'tortura'. Em vez disso, seus remetentes foram mais sutis ao declarar os problemas na interação entre austríacos e representantes da igreja. "Esperamos que, Santo Padre, possa ser um modelo para a Igreja Católica da Áustria, por estar mais conectado com as necessidades e problemas de [crentes] comuns ", prossegue o documento.

Tanto a Igreja Católica e Wolfgang Lassy têm demonstrado intransigência. Em 24 de fevereiro, ambas as partes se reunirão para discutir uma possível solução através de meios não judiciais.

"Para nós, no entanto, uma tal solução só poderia consistir de uma proibição dos repiques das 22:00 até 06:00," disse o arquiteto ao jornal.

Via Washington Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário