6 de março de 2015

Ateu foi orar e acabou tendo a oração atendida

por Michael Ashcraft e Mark Ellis

Após abandonar as escolas bíblicas da infância e ingressar nos estudos de Engenharia. Clay Lein perdeu a fé em Deus.

“Eu tinha uma mente extremamente racional, tinha que ser lógico, precisava de provas. Não havia evidências que me provassem que alguém teria nos feito” afirmou Lein ao Canal 11 News em Houston. “Parte do meu treinamento em Engenharia incluía o ceticismo, já que demanda apenas dados para que se constate evidências reais.”

Casou-se, fez MBA a lançou-se numa próspera carreira na Intel. Todas as suas conquistas e o mundo a sua volta parecia bem sólido e observável. Ali não havia a necessidade de crer em coisas intangíveis que necessitassem da suspensão da analise cientifica, apenas raciocínios, lógica.

Por que precisaria de Deus? Digo, se algo existisse realmente, por que eu teria algo Dele que eu precisasse, pensava ele.

Mas sua esposa convidou-o para acompanha-la a uma igreja, e ele aceitou, pois pensava “igrejas são lugares aonde pessoas legais vão.” Sempre manteve a cortesia, embora se mantivesse firme em não informar seu ateísmo a ninguém.

Foi quando o casal se tornou voluntario nos trabalhos da comunidade religiosa. Foi quando seu ceticismo foi despedaçado.

Ele foi convidado a orar publicamente.
Colocou-se na posição como todos fazem, mas sem nenhuma preparação para o mesmo. Nervoso, tentava manter as aparências diante das pessoas que gostava, e apelando para a infância, acalmou-se por imaginar que poderia sacar os tempos de escola bíblica e escola bíblica de férias naquele momento. Começou a sua prece, procurando não dar evidências de quanto aquilo soava falso para ele.

O problema é que, ao começar sua oração, algo incomum aconteceu. Palavras fluíram natural e espontaneamente de sua boca, sem que ele precisasse conjurar nenhuma memoria de tempos anteriores.
O Espírito Santo levou-me e direcionou sua prece como quando era criança! O que era para ser uma simples prece estendeu-se por mais de 15 minutos. E isso atingiu seu objetivo.
Uma garota foi profundamente movida e começou a chorar compulsivamente.

“Entre soluços, ela compartilhou os abusos sofridos por ela através de seu tio” ele conta. “E o que a encorajou a expor o assunto tão delicado, segredado por tantos anos, foi a oração daquele homem. 
“Esse insight revelou algo em minha alma.”
De repente, “Deus era relevante e queria realmente fazer coisas incríveis na minha vida” disse Lein.”Converti-me a Cristo naquele dia. E ouvi uma voz, e não era Charlton Heston*. Era mais como um pensamento involuntário que emergia como a voz do Clay, e que definitivamente, para mim, era a voz é Deus dizendo: “Experimente a mim”.

Esta experiência não se encaixava em meu sistema lógico cientifico, mensurável por instrumentação ou pelos cinco sentidos. Mas, entretanto, foram exatamente esta falta de evidências que abalaram completamente seu ceticismo.

Lein começou a pensar em como Deus tinha mudado a vida dessa adolescente em apenas 15 minutos. O que aconteceria se ele oferecesse a Deus mais do que isso?
"A pergunta que eu tinha para Deus era: se você pode fazer isso com a minha vida com apenas 15 minutos, o que você faria se oferecesse minha vida inteira?" lembra ele.
Lein entrou então numa nova fase de sua existência. Ingressou em um seminário e foi ordenado ministro episcopal em 1996.

Clay Lein, ateu salvo por Deus, serviu como diácono na Carolina do Sul e reitor numa igreja em Plano, Texas. Em 2002, ele auxiliou na implantação de uma nova congregação em Frisco, norte de Dallas e atualmente possui 1400 membros. Mais recentemente, foi nomeado reitor numa comunidade de 4000 membros na igreja de St. John the Divine, em Houston.

Na entrada da igreja há uma placa onde se lê “Mudando vidas para Deus em Cristo”.

“Sou um garoto propaganda” declarou ele, sobre os ditos na placa. “Se Deus pode mudar pessoas como eu, Ele pode mudar qualquer hum...”


*Para quem não sabe, Charlton Heston é aquele conhecido ator que entre vários filmes de sucesso, interpretou Moisés no filme “Os dez mandamentos”.


Visto no God Reports