1 de maio de 2015

Porteiro de Prostíbulo - uma história real

Não havia no povoado pior emprego do que ‘porteiro da zona’. Mas que outra coisa poderia fazer aquele homem?

O fato é que nunca tinha aprendido a ler nem escrever, não tinha nenhuma outra atividade ou ofício.

Um dia, entrou como gerente do puteiro um jovem cheio de ideias, criativo e empreendedor, que decidiu modernizar o estabelecimento.

Fez mudanças e chamou os funcionários para as novas instruções.

Ao porteiro disse:

– A partir de hoje, o senhor, além de ficar na portaria, vai preparar um relatório semanal onde registrará a quantidade de pessoas que entram e seus comentários e reclamações sobre os serviços.

– Eu adoraria fazer isso, senhor, balbuciou – Mas eu não sei ler nem escrever.

– Ah! Quanto eu sinto! Mas se é assim, já não poderá seguir trabalhando aqui.

– Mas senhor, não pode me despedir, eu trabalhei nisto a minha vida inteira, não sei fazer outra coisa.

– Olhe, eu compreendo, mas não posso fazer nada pelo senhor. Vamos dar-lhe uma boa indenização e espero que encontre algo que fazer. Eu sinto muito e que tenha sorte.

Dito isso, deu meia volta e foi embora. O porteiro sentiu como se o mundo desmoronasse. Que fazer?

Lembrou que no prostíbulo, quando quebrava alguma cadeira ou mesa, ele a arrumava, com cuidado e carinho.

Pensou que esta poderia ser uma boa ocupação até conseguir um emprego.

Mas só contava com alguns pregos enferrujados e um alicate mal conservado.

Usaria o dinheiro da indenização para comprar uma caixa de ferramentas completa.

Como o povoado não tinha casa de ferragens, deveria viajar dois dias em uma mula para ir ao povoado mais próximo para realizar a compra. E assim fez.

No seu regresso, um vizinho bateu à sua porta:

– Venho perguntar se você tem um martelo para me emprestar.

– Sim, acabo de comprá-lo, mas eu preciso dele para trabalhar, já que…

– Bom, mas eu o devolverei amanhã bem cedo.

– Se é assim, está bem.

Na manhã seguinte, como havia prometido, o vizinho bateu à porta e disse:

– Olha, eu ainda preciso do martelo. Porque você não o vende para mim?

– Não, eu preciso dele para trabalhar e além do mais, a casa de ferragens mais próxima está a dois dias de viagem, de mula.

– Façamos um trato – disse o vizinho.

Eu pagarei os dias de ida e volta, mais o preço do martelo, já que você está sem trabalho no momento. Que lhe parece?

Realmente, isto lhe daria trabalho por mais dois dias. Aceitou.

Voltou a montar na sua mula e viajou.

No seu regresso, outro vizinho o esperava na porta de sua casa.

– Olá, vizinho. Você vendeu um martelo a nosso amigo.

Eu necessito de algumas ferramentas, estou disposto a pagar-lhe seus dias de viagem, mais um pequeno lucro para que você as compre para mim, pois não disponho de tempo para viajar para fazer compras.

Que lhe parece?

O ex-porteiro abriu sua caixa de ferramentas e seu vizinho escolheu um alicate, uma chave de fenda, um martelo e uma talhadeira. Pagou e foi embora. E nosso amigo guardou as palavras que escutara: ‘não disponho de tempo para viajar para fazer compras’.

Se isto fosse certo, muita gente poderia necessitar que ele viajasse para trazer as ferramentas.

Na viagem seguinte, arriscou um pouco mais de dinheiro, trazendo mais ferramentas do que as que já havia vendido.

De fato, poderia economizar algum tempo em viagens.

A notícia começou a se espalhar pelo povoado e muitos, querendo economizar a viagem, faziam encomendas.

Agora, como vendedor de ferramentas, uma vez por semana viajava e trazia o que precisavam seus clientes.

Com o tempo, alugou um galpão para estocar as ferramentas e alguns meses depois, comprou uma vitrine e um balcão e transformou o galpão na primeira loja de ferragens do povoado. Todos estavam contentes e compravam dele.

Já não viajava, os fabricantes lhe enviavam os pedidos. Ele era um bom cliente. Com o tempo, as pessoas dos povoados vizinhos preferiam comprar na sua loja de ferragens, a ter de gastar dias em viagens.

Um dia ele lembrou de um amigo seu que era torneiro e ferreiro e pensou que este poderia fabricar as cabeças dos martelos.

E logo, por que não, as chaves de fendas, os alicates, as talhadeiras, etc …

E após foram os pregos e os parafusos…

Em poucos anos, ele se transformou, com seu trabalho, em um rico e próspero fabricante de ferramentas.

Um dia decidiu doar uma escola ao povoado.

Nela, além de ler e escrever, as crianças aprenderiam algum ofício.

No dia da inauguração da escola, o prefeito lhe entregou as chaves da cidade, o abraçou e disse:

– É com grande orgulho e gratidão que lhe pedimos que nos conceda a honra de colocar a sua assinatura na primeira página do livro de atas desta nova escola.

– A honra seria minha, disse o homem. Seria a coisa que mais me daria prazer, assinar o livro, mas eu não sei ler nem escrever, sou analfabeto.

– O Senhor? disse incrédulo o prefeito. O senhor construiu um império industrial sem saber ler nem escrever? Estou abismado. Eu pergunto:

– O que teria sido do senhor se soubesse ler e escrever?

– Isso eu posso responder, disse o homem com toda a calma: – Se eu soubesse ler e escrever… ainda seria o PORTEIRO DO PUTEIRO

Essa história é verídica, e refere-se a um grande industrial chamado… Valentin Tramontina, fundador das Indústrias Tramontina, que hoje tem 10 fábricas, 5.500 empregados, produz 24 milhões de unidades variadas por mês e exporta com marca própria para mais de 120 países – é a única empresa genuinamente brasileira nessa condição. A cidadezinha citada é Carlos Barbosa, e fica no interior do Rio Grande do Sul (existe na Internet quem conteste a história).

Geralmente as mudanças são vistas como adversidades.

As adversidades podem ser bênçãos.

As crises estão cheias de oportunidades.

Se alguém lhe bloquear a porta, não gaste energia com o confronto, procure as janelas.

Lembre-se da sabedoria da água: ‘A água nunca discute com seus obstáculos, mas os contorna’.

Que a sua vida seja cheia de vitórias, não importa se são grandes ou pequenas, o importante é comemorar cada uma delas.

Vi aqui

5 comentários:

  1. Não foi citado os anjos caídos. E a aparência que relatam dele? De chifres e horrendo? E que ele vive nos observando, esperando uma brecha para atacar? e a luta entre anjos de Deus e os anjos caídos, demônios? Como são de verdade?

    ResponderExcluir
  2. É complicado entrar no mérito de uma aparência "tridimensional" para criaturas de outra dimensão.

    Na descrição de um dos profetas, eles tem aparência de "tocha humana", enquanto Zacarias descreve os caídos como pedaços de carvão que se esfriam: "um tição tirado do fogo".

    O simbolismo purificador do fogo também é usado em Apocalipse quando João descreve a nova aparência de Cristo, que possuí visual não-humano, com olhos de fogo, cabelos prateados, e um corpo "metálico".

    São descrições feitas por homens de séculos passados, tentando descrever algo com os recursos que eles tinham dessa época e desse mundo.

    Paulo também menciona a capacidade dessas criaturas se transmutarem em anjos de Luz. Além do mais, os anjos, sempre que aparecem na bíblia, dizem, antes mesmo de um bom dia (rs): "NÃO TEMAS". Não deve ser algo que não impacte.

    A única forma de discernir com quem você está lidando e entender para quem ele trabalha.

    ResponderExcluir
  3. Eu estou afastada da igreja,e de vez em quando tenho recaidas e acabo fumando.Depois que o faco,me sinto fraca,burra e deprimida.Nao me considero viciada,pois sou capaz de ficar meses,anos sem cigarro.Mas as vezes bate a vontado e fumo.E triste isso,pq a consciencia pesa muito.

    ResponderExcluir
  4. A bíblia diz: Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas me convém. Quando Deus nos dá livre arbítrio, ele nos deixa ciente de que podemos fazermos o que bem entendermos, mas a bíblia diz que para seguirmos a Cristo temos que renunciar o mundo/as coisas do mundo. Beber e fumar são coisas celestiais? Reflita. Quando a bíblia diz que tudo nos é lícito, quer dizer que tudo nos é permitido, mas nem tudo nos convém. Ou seja: podemos fazer o que for (seja essa coisa do nosso agrado ou não), mas nem sempre o que é bom aos nossos olhos será agradável aos olhos de Deus. Nas antigas gerações beber e fumar não era permitido, hoje em dia é? A palavra deixou de ser a mesma? Será que quando Deus disse que poderiam se passar os céus e a terra, mas a sua palavra permaneceria, ele estava mentindo? A palavra de Deus é a mesma. E o Deus qual servimos é o mesmo de antigamente, ele não mudou.

    ResponderExcluir
  5. Os Nephilins são os Anjos caidos.

    ResponderExcluir