1 de outubro de 2000

Quem Sou Eu



Quem sou eu?
Certamente ser o editor(?) deste blog ainda é uma certeza.
Considero-me um cristão “forest-gump-under-construction”.
Talvez isso possa explicar o porque do título do blog.
Perambulo pelo caminho que é o Caminho, e não são poucas as vezes que imaginei que Ele, por ser quem sou, não estava mais comigo. Não conseguia sentir os trilhos em que minha vida avança, apenas os solavancos dos locais escabrosos por onde escolhia me enveredar.
Nem imaginava a gigantesca e sutil força que este Pai tem em conduzir seus planos, e como, para ele, sou tão previsivel e meu caso não é o único ocorrido nos milênios de sua eterna existência.



Autodidata, músico amador, gosto de escrever(só preciso aprender...rs), trabalho atualmente na área de T.I.
Tal ofício me proporcionou bons passeios pelo país, onde conheci os costumes de diversas regiões, assim como a aparente mesmice em que os templos “protestantes”, pentecostais ou não, vivem.

Eclesiasticamente, aguardo o momento em que entenderei melhor minha função dentro do corpo.
Na minha igrejinha, aqui em São Bernado do Campo, já fiz (e as vez, ainda faço) de tudo:
Toquei e compus, escrevi e atuei, preguei e dei estudos, ministrei e orei.
Também ouço e leio muitos pregadores. As vezes gosto, as vezes não, as vezes nem entendo.

Demorei a entender o razão de Paulo em não recomendar neófitos para o ministério, até começar a amadurecer (processo aparentemente nocivo), e olhando para minhas pegadas, ser grato àqueles que não me deram as oportunidades que tanto pedi em minhas orações.
Mas ainda estou a caminho.
Ainda posso estar enganado. Não seria uma surpresa se descobrisse isso, e mesmo esta apresentação deixasse de existir, dando lugar a outra.
Disto que entendo - e me entendo – agora, sou capaz de garantir que minhas estruturas estão solidificadas e meus ideais não serão abalados daqui à eternidade, no que se refere ao que me compõe, Mas só o Senhor não apresenta sombra de variação! O que penso sobre as coisas que movem a vida, e tantas outras situações, de repente, pode deixa de ser. Essa é minha única convicção atual.


Por exemplo, antes, tinha como filosofia (barata) de vida que, em:
1º Lugar – Deus;
2º Lugar – Família;
3º Lugar – Igreja
4º Lugar- Trabalho...
Descobri que Deus não pode estar em primeiro lugar.
Ele tem que estar sempre, independente das colocações que dou para as coisas de minha vida.
Se opto por estar com ele no primeiro, então, a partir do segundo, ele já nem está como opção a ser relevada...

Espero ter deixado claro minha confusão mental. Talvez você possa compactuar com ela.Alguma opinião?

José Luís