22 de março de 2010

Riscos de não se parecer com um crente.

por Zé Luís

Final de semana, domingão, churrasco na casa “di mamãe”: dia de ouvir ela se referir a mim, dizendo com aquele sotaque cearense: “ô minino prá ser abestalhado!”. Na cabeça daquela criatura eu, com meus poucos grisalhos cabelos de um jovem de quarenta, continuo sendo menino. Pelo menos ela.

Aniversário de uma de minhas quatro irmãs – Carolzinha fez 34! Uma ansiã, praticamente.

Cheguei e encontrei um dos meus raros leitores lá, a beira da churrasqueira: meu cunhado. Logo foi falando sobre meu trabalho, e dos textos que o divertia( e repassava a seu grupo). Dentro do assunto, comentei que dentro dos leitores, descobri que haviam até ateus – colegas de empresa – que acompanhavam meus delírios. Ele então se apresentou:
“Sou mais um! Ateu e a toa...”

Ele acompanha através de um Reader, e repassa para seu grupo, na maioria ateus também. Nesse momento eles podem estar lendo isso.

O que ele alega para ler textos de um site "supostamente" cristão é que não parece que é de um crente. Eles riem das situações inusitadas que confesso em meu meio social, entendem quase tudo que posto – com exceção das linguagens tipicamente evangeliquezas (vaso, varão, ungido, "bença",tribulado, desviado, salvo, entre tantos outros vocábulos próprios).

Existe um interesse no assunto em que cristãos debatem na mesma proporção do repúdio em nosso matraquear religioso de jargões bíblicas fora de contexto, sem entender que eles pensam sobre os assuntos apresentados de forma racional.Se muita coisa disso já não nos faz sentido, como querer explicar o que não entendemos?

O que me fez ficar pensativo é o interesse -  no que creio ser verdades absolutas  - só por não parecer o tipo de coisa inteligente que um crente diria.

Por ser crente eu deveria ser insuportável, radical, corporativista, mantendo em meu meio social só gente que professa o mesmo credo. Tenho que fingir que nunca fui pior do que sou hoje, e repudiar - pelo menos publicamente - cada atitude de alguém que não teve a chance de ter seu encontro pessoal com o Mestre.

Talvez se eu fosse mais chato? Acho isso um pouco difícil...
Mas o tempo passa, e a tênue voz que consigo ouvir em meu íntimo parece concordar que, apesar de ser essa tranqueira, o sussuro diz que estou no Caminho. É o suficiente.

2 comentários:

  1. "não parece que é de um crente"
    Que bom que essa frase teve uma explicação da parte dele...
    porque...
    essa frase às vezes traz um pouco de temor.
    Abraçãooooooo

    ResponderExcluir
  2. Que ótimo! É melhor não parecer mesmo. Hoje em dia se me chamarem de crente (no sentido de evangélico) vou entender como uma das piores ofensas hauehaueha...

    Leão.

    ResponderExcluir