15 de junho de 2010

Laudo sobre “Domingo Sangrento” sai, após quase quarenta anos de espera

Fonte: Telegraph
"Os acontecimentos do Domingo Sangrento não tem justificava e não podem ser justificados ", disse o primeiro-ministro à Commons." O que aconteceu deveria nunca ter acontecido. Estou profundamente, profundamente arrependido."
O relatório concluiu que todos os mortos estavam desarmados e a tropa destacada perdeu o controle, abrindo fogo sem aviso prévio. Alguns tentavam fugir quando atingidos e os soldados forjaram relatório em uma tentativa de encobrir suas ações.

Um total de 13 civis desarmados, sete delas adolescentes, morreu quando soldados do 1 º Batalhão, o Regimento Pára-quedas abriu fogo durante confrontos após a marcha, onde foram impedidos de entrar no centro da cidade em 30 de janeiro de 1972. Um garoto de 14 morreu algum tempo depois, resultado de seus ferimentos.

Depois de uma noite de expectativa ansiosa em Londonderry, parentes das vítimas comemoraram as conclusões do relatório no Guildhall, causando a comoção da multidão que acompanhava do lado de fora do tribunal.

O relatório de £191 Milion Saville incluiu 30 milhões de palavras em testemunhos e levou 12 anos para ser concluído.

Advogados das famílias do “Bloody Sunday” planejam pressionar para que aqueles que abriram fogo sejam processados por assassinato.

Para Lord Saville, presidente do inquérito, David Cameron é esperado para anunciar que a decisão de abrir inquérito será submetida ao Diretor do Ministério Público para a Irlanda do Norte.

Tal ação de acusação penal abre precedentes, o que irritou muitos sindicalistas e militares, que dizem que seria uma injustiça, depois de centenas de prisioneiros do IRA e paramilitares leais foram liberados sob os termos do Acordo de Sexta-Feira Santa(ou seja: o temor da probabilidade de estarem infiltrados na tal passeata era certa).

Antes da publicação, um oficial daquele regimento que serviu durante o Bloody Sunday disse: "Há uma preocupação real de que os soldados serão punidos na sequência deste relatório, e isso é algo que é visto como algo extremamente injusto.”

"Há um reconhecimento de que alguns soldados falharam em sua conduta, mas que consideraria injusto se tivessem de enfrentar acusações criminais."

Parentes de muitos dos mortos afirmam que os soldados que dispararam sobre os seus entes queridos deve ser julgados, e não necessariamente querem vê-los presos.

Jean Hegarty, que teve seu irmão de 17 anos baleado e visto pela TV pelas imagens em “Bloody Sunday”, disse querer que o soldado que o matou explique suas ações em tribunal, mas não necessariamente que sejam enviados para a prisão.

"Se eles fizeram alguma coisa errada, que sejam processados", disse ela. "Mas o clima e época em que vivemos,a cadeia não é algo que eu possa ver acontecendo. Isso não me incomoda, eu não tenho grande desejo de ver um homem de 60 anos ir para a cadeia."

Eamonn McCann, presidente do Sunday Bloody Trust, que estava em marcha e testemunhou os acontecimentos, acrescentou: "Isso seria a opinião da maioria, em Derry, e também entre as famílias.

"Não há nenhuma grande clamor por um cara de 64 anos de idade para ser preso nesta fase."

O Sr. Cameron irá informar o gabinete na parte da manhã sobre as repercussões do relatório - incluindo o receio de que a questão não resolvida, de processar os soldados, poder prejudicar o processo de paz.

A decisão de processar os atiradores pode se prolongar por alguns meses ou mesmo anos, após o senhor Alasdair Fraser, 63, o promotor-chefe atual, anunciar precocemente este mês que iria se aposentar em setembro. O que significa que qualquer julgamento seria improvável após 40 anos depois que os soldados dispararam os tiros fatais.

Um soldado que jamais depôs, mas é conhecido como F Soldier, é tido responsável pelas mortes de até cinco mortos, incluindo um manifestante que foi baleado no estômago.

O Primeiro-Ministro também foi atualizada sobre a situação de segurança, com a ameaça de dissidentes republicanos, que têm realizado uma série de ataques nos últimos meses.

Lord Saville tem sido fortemente criticado durante o período de sua investigação, que foi prevista para durar dois anos, quando foi ordenada por Tony Blair em 1998.

Cerca de mil testemunhas deram provas, incluindo soldados, civis, policiais, políticos, especialistas forenses, jornalistas, civis, padres e membros do IRA, incluindo Martin McGuinness, da Irlanda do Norte do Vice-Primeiro-Ministro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário