6 de julho de 2010

Falta muito prá chegar?

por Zé Luís

Quem já viajou com crianças, já ouviu essa frase muitas vezes. Por mais que o meio de trabsporte seja confortável, qualquer criança anseia pelo destino do passeio, sem saber desfrutar dos prazeres que o trajeto pode nos oferecer.

Quem já teve que viajar por longas horas(ou mesmo dias) descobre ao longo do tempo que as crianças não estão tão erradas assim: alguns caminhos são ruins, feios, escabrosos, esburacados, intimidadores em seu ambiente hostil. Qualquer experiência de turbulência em um avião, ou mesmo uma forte chuva a noite em uma estrada sem iluminação torna o passeio numa aventura perigosa e indesejável, e quanto mais a tribulação se prolonga, mais nos perguntamos: “por que, afinal de contas, eu entrei nessa viagem, se tudo indica que não chegarei ao meu destino? Esse destino – se é que ele existe, é válido? Prá que me aventurei nesse negócio? Não estava bem onde comia cebolas no meu escravagista Egito?”.

Se você procura um sincero Cristianismo, ainda mais nestes tempos, devo te advertir: rumamos para uma tempestade cada vez mais densa. A cada dia, o entendimento do Sagrado será mais deturpado, e ao longo da estrada, as placas que indicam o céu estarão cada vez mais confusas. O ouro apontado aqui na terra como céu não passa da matéria que pavimenta suas ruas...

Se multiplicarão a beira do Caminho as mais belas e suntuosas pousadas, para aquele que esta a beira, continue lá, confortavelmente deprimido. Simulações do impossível céu na terra as custas de sacrifícios de carne darão àquele que procura motivos para parar o que precisa, se contentando em edificar torres de babel onde o Espirito devia estar ( e já não mais está).

A voz do Cristo será cada vez mais difícil de ser discernida, já que está estará cada vez mais soterrada por uma legião de pessoas tagarelando programações sobre o que Ele pode e não pode, o que disse e o que não disse, e o que fará e o que não fará, “se você...”.

O santo nome de Jesus será cada vez mais banalizado, até que a tempestade se avolume em uma forma tão densa que essa escuridão poderá ser tocada. Alguns ainda se entristecem e escandalizam com a falta de respeito a seu sacrifício santo, mas haverá um dia nesta estrada, não muito distante, que o dito mais sincero cristão, rirá com estas maldades e se verá ridículo por um dia ter crido, como há de ser perto do fim.

Se falta muito para chegar?
Paulo avisou como seria, João em seu apocalipse descreve o que hoje “quase” já é. O início das dores descreve de forma atemporal situações que já aconteceram e que, em breve, acontecerão.

Com a atual tecnologia, já podemos levar este evangelho a toda a criatura e a todos os povos, mas fazemos isso, em muitos casos, pelo ganho financeiro que nos proporciona, pelo benefício que as organizações terão ao levar seu centro de arrecadações para estes lugares.

Cumprimos assim o que os antigos disseram que cumpriríamos, todos os povos rumam para onde está escrito, os que para perdição, perdição. Os que para Deus, com Ele já está..

Se falta muito para chegar?
Está muito próximo, meu irmão. Muito próximo...

3 comentários:

  1. Difícil... Esse texto fala sobre minhas últimas vívidas e já enfadadas confusões: se multiplicaram as vozes sobre Deus e quais são realmente de Deus?

    Leão (confuso...).

    ResponderExcluir
  2. Belo texto, ótimo blog!

    Já linkei no meu, que não tem muito a ver com o seu... Nem precisa retribuir o link.

    Visitarei sempre, a minha questão é: posso copiar algumas coisas? HAHAHA... Vou roubar alguns posts mas pode ficar tranquilo que citarei a fonte.

    Sobre o post, também acredito que a viajem está chegando ao fim. Procuro manter meus olhos abertos, mas gostaria de saber como tirar a venda de algumas pessoas...

    Abraço, fique na paz!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Deme.

    Fique a vontade, sirva-se...

    Quanto a tirar a venda:

    Se um dia vc souber, me conta. Vou a algumas igrejas usar a fórmula em certos pastores.

    É como Deus disse ao Jim Carrey no "Todo Poderoso" quando ele não conseguia mudar o livre-arbítrio das pessoas:
    "No dia que você conseguir, me ensina..."

    ResponderExcluir