24 de novembro de 2014

Sobre anjos: 10 erros comuns


anjos sem forma

A maioria das pessoas não se dá conta que boa parte dos seres que associamos ao cristianismo, e portanto são originários das descrições bíblicas, obrigatoriamente devem parecer com o que lá está dito (assim como religiões criadas a partir da mesma devem segui-la e não apenas apropriar-se de trechos seletos).

Os anjos são mencionados por toda a Bíblia, presentes em momentos dramáticos, anunciando eventos terríveis. Estes seres foram retratados por artistas pelos séculos, como os renascentistas, que pintaram os querubins como bebês alados, com bundas infantis a mostra, ou grandes moças aladas esculpidas, guardando túmulos em cemitérios. 

Outros ainda associam Satanás com a aparência muito equivocada ao descrito nas Escrituras, origem desse personagem, e longe do que seria nossa crença de um anjo caído.



10. Você não tem um anjo da guarda pessoal

erros sobre anjosNós todos já ouvimos historias sobre pessoas salvas por desconhecidos misteriosos ou a sensação de sermos guardado por uma entidade de um mundo paralelo. É confortante imaginar essa proteção dando-nos segurança em outro mundo, mas não há nada na bíblia sobre anjos da guarda. Algumas passagens citam anjos guardiões com propósitos específicos, como em Mateus 18:10 “Vede, não desprezeis algum destes pequeninos, porque eu vos digo que os seus anjos nos céus sempre veem a face de meu Pai que está nos céus”.

Utilizam desse texto para explicar que anjos pajeiam crianças ou os de fé mais avivada (eu particularmente já ouvi que Deus designa anjos para guardar os bêbados), mas o contexto nada tem em relação a essas afirmações.

A ideia de anjos da guarda lembram muito as histórias sobre fadas madrinhas, o que não é apenas uma coincidência, e sim uma evolução desses contos. Através da Idade Média, ouviremos falar de santos que tiverem encontros com anjos protetores. Essas histórias falam giram em torno da mesma ideia de milagrosos resgates pessoais, e foram recontados e popularizados nos séculos 18 e 19. No século 20 a ideia do anjo pessoal chegou à crença nos moldes de hoje, onde se crê nessa proteção pessoal de uma criatura extraordinária.

09. Querubins não possuem carinhas de bebê.

Querubins são comumente retratados por alguns pintores como pequenos bebês com asas, fofos, e de face simpática e amigáveis. Mas a aparência descrita nada tem haver com essa ilustração.

erros sobre anjosA bíblia nos descreve seres terríveis, sendo um tipo muito específico de anjo. Inteligíveis em suas descrições feitas pelos profetas, sua servidão ao Reino é muito próxima do Criador, servindo-O diretamente pela eternidade. Segundo o livro de Genêsis, dois querubins foram postos na guarda da entrada do paraíso, a fim de bloquear o retorno de Adão e Eva. Curiosamente, a Arca da Aliança carrega em sua tampa a escultura de duas dessas criaturas encarando-se.

O profeta Ezequiel dá muitos detalhes sobre suas aparências. De acordo com as Escrituras, esses anjos possuem uma forma que lembra a humana, embora sua pele tem aparência metalizada do cobre, pés de fauno, 4 rostos e 4 asas cada um, e a descrição de sua forma e movimento não fazem muito sentido. Homem, águia, leão e touro são os quatro rostos contidos em cada ser descrito pelo profeta (o que nos remete a esfinge: os 4 seres que a forma). Assim como os querubins cercam e circulam a presença de Deus, assim também é simbolizado em sua arca, onde sua Lei foi guardada.

Sinceramente, não há o menos sentido na pintura desses bebês e a verdadeira descrição dessas terríveis criaturas.

8. Querubins não são necessariamente seres amigáveis.

Como já descrito anteriormente, a arte sempre descreveu essa esses seres como gracinhas aladas, sempre sorrindo, tocando suas harpas, mas já vimos que se víssemos um desses pessoalmente certamente sentiríamos pânico.
querubins sobre a arca

Considere, por exemplo, o propiciatório, a tampa da Arca da Aliança, muito conhecida por causa do primeiro filme de Indiana Jones, e perceba a obscuridade de seu significado. As duas figuras sobre o propiciatório são querubins, rostos e corpos escondidos em um par de asas. O outro par se estende em direção ao outro, formando uma espécie de trono. De acordo com as Escrituras, esse assento simboliza a presença potencialmente letal de um Deus irado.

Anualmente, um Sumo Sacerdote realizava uma cerimônia – o chamado Dia do Perdão, com a aspersão do sangue de sacrifícios de animais no propiciatório para apaziguar a fúria de Deus e adiar a sua ira por mais um ano. Outro ritual específico tinha que ser realizado para abordar com segurança o propiciatório e qualquer desvio do ritual era mortal para aquele sacerdote tolo o bastante para desrespeitá-lo. Todos os anos, os querubins entalhados recebiam a oferta de sangue de sacrifícios de animais, até tornar-se desnecessário, uma vez que Cristo foi crucificado e o sacrifício desse sangue foi suficiente para satisfazer os querubins para sempre.

7. Pessoas não se tornam anjos.

gente não vira anjoApesar do famoso clichê usado em filmes, não há nada que informe essa ideia: que pessoas boas e retas tornam-se anjos ao morrerem, já que são raças totalmente diferentes, e criadas também com propósitos diferentes. Uma passagem no livro de Hebreus, 1:26, afirma que são entidades ministradoras, enviadas por Deus afim de servir àqueles que herdarão a vida pós morte.

Genesis ainda afirma que esses seres são feitos de uma matéria totalmente diferente da humana – chamada “espiritual” – e estes podem assumir uma aparência humana conforme os desígnios do Criador. Pedro em sua carta sugere que eles não tem a mesma característica trina que o humano: corpo-alma-espirito. Ele afirma : “Está revelado que eles não estão servindo a si mesmos, mas a vocês, e essas coisas são anunciadas agora para todo aquele que ora para que a Boa Nova venha através do Espírito venha dos céus – coisas que os anjos anseiam ver. "Se o Espírito Santo prega para a humanidade, e os anjos desejam que eles ouçam a mesma mensagem, esses anjos não são humanos.

6. Não existe gênero entre anjos (macho ou fêmea)

anjos não tem gênero

Incontáveis pinturas e gravuras mostram anjos masculinos aparecendo em cenas bíblicas, enquanto vemos centenas, em tumbas e criptas, de estatuas de anjos femininos guardando-as. Esse atributo humano não encontra base bíblica, já que para um melhor entendimento, atribuímos coisas humanas a seres que não conseguimos entender. Alguns podem argumentar que as características bíblicas associam a masculinidade aos anjos, descrevendo-os como “varões”, como os que entraram em Sodoma, ou os chamados “filhos de Deus”, associados aos anjos caídos, que tiveram filhos com as mulheres humanas e geraram gigantes. Em grego a palavra “angelos” tem gênero masculino e é usada comumente no Novo Testamento, inclusive porque Gabriel e Miguel, nomes citados, são referidos como “ele”. A única menção bíblica de um anjo no feminino é no livro de Zacarias 5.9: ” De novo ergui os olhos e vi chegarem à minha frente duas mulheres com asas como de cegonha; o vento impeliu suas asas, e elas ergueram a vasilha entre o céu e a terra.” Mesmo assim, nada sugere que as visões do profeta sejam algo mais que alegorias, tão presente nesse livro.

A ideia de anjos femininos surgiu séculos depois da Bíblia feita. É sabido que os artistas da época até o século quatro mantinham distância de retratar imagens e ídolos de uma religião que até então abominava algo que poderia se tornar em idolatria. Foi nessa época que o Cristianismo começou a buscar em outras religiões a influência helenista dessas imagens até hoje populares. A ideia de colocar asas em anjos sempre existiu em mitologias e religiões pagãs e seus deuses.

5. Anjos não possuem aureolas

anjos não tem halos

Qual imagem vem a sua mente quando falo sobre anjo bíblico? Provavelmente ele venha com túnicas, asas e aureola ou halo. O detalhe é que não há nas descrições que justifiquem a aparição dessa “luz” em volta da cabeça desses personagens.

As referências mais próximas nada possuem nem remotamente com algo do gênero. Mesmo assim, isso tornou-se detalhe fundamental na base da obra de arte religiosa, como referência a um brilho luminoso em torno de um seleto grupo de personagens, tai como Cristo e Moisés.

Esse brilho em pinturas religiosas é mais precisamente chamado de "nimbus", e apareceu pela primeira vez na arte do século IV, inicialmente utilizados apenas em obras que retratavam Cristo sentado em um trono. Ela ganhou popularidade como ícone de bondade e logo foi estendida a todas as representações de Cristo e anjos. Por volta do século sexto todos estavam usando-os, inclusive nas figuras dos santos. O halo, ou nimbus, é uma daquelas coisas que o cristianismo adotou por acidente.

A ideia remonta a antigos reis da Síria e do Egito, que usavam coroas nesse formato, com a intenção de mostrar as conexões com suas divindades e luz divina circundante. Também na Roma Antiga era costume o uso de raios e coroas nas representações de seus imperadores. Os artistas cristãos só deram continuidade de uso no simbolismo já estabelecido e deram prosseguimento a isso.

04. Eles não têm obrigatoriamente um par de asas.

Semelhante ao caso da representação de anjos com halos, a imagem relacionada ao uso de asas é mais um produto de artistas posteriores do que com registro nos textos bíblicos reais.

seis asas de serafimAsas não são fazem parte obrigatória nas histórias angelicais na Bíblia, embora haja muitas menções sobre “voo" - que é compreensivelmente ligam ao uso de asas. O Serafim, das mais altas hierarquias, estão diante de Deus e, literalmente, queimam de amor por seu Senhor (inspirando outros a fazerem o mesmo), e são especificamente descritos em Isaías como tendo seis asas. Apenas duas são utilizadas para voar, enquanto um par é usado para proteger o rosto e o terceiro para cobrir os pés. Querubins são geralmente descritos como tendo quatro asas. Cristãos primitivos retratavam anjos sem que existissem asas em suas gravuras. Alguns dos primeiros exemplos de anjos alados apareceram nas catacumbas romanas: a tumba do político romano Junius Bassus retrata a famosa cena bíblica de um anjo que apareceu a Abraão dizendo-lhe para não sacrificar o seu filho. O anjo na cena está sem asas, mas outras figuras no sarcófago têm asas, o que sugere que o momento em que foi esculpida por volta do ano 359, uma mudança geral nas percepções populares na aparência angelical. Até o final daquele século, os anjos já estavam firmemente associados a descrição de deuses pagãos alados e deusas.

03. Não existe a versão cristã de Anjo da Morte.

anjo da morte

A poderosa imagem do Anjo da Morte, a obscura e encantadora criatura que tem como única regra a destruição da vida não existe na Bíblia.


Um pequeno número de passagens citam a existência do mesmo, como na décima praga do Egito, quando um anjo teria tomado a vida dos primogênitos das casas onde não haviam a marca do sangue nas soleiras das portas. Em outra passagem, no segundo livro de Reis, um anjo teria exterminado instantaneamente 185.000 assirios.

De qualquer forma, o tradicional anjo da morte não é anjo. É apenas a morte. Os anjos da morte citados na Bíblia não se dedicam exclusivamente à destruição da vida humana. Eles se prontificam a cumprir as ordens vindas de Deus, podendo ser o mesmo anjo um mensageiro de boas novas ou promovedor de livramentos. Apenas Deus tem o poder de definir quem vive ou quem morre, mesmo quando dentro das Escrituras a ideia é perpetuada. Da mesma forma, a cultura judaica rejeita a ideia de anjo da morte.

O anjo da morte é atribuído a Samael, um dos primeiros nomes de anjo mencionados em um trecho inexpressivo e facilmente ignorado em sua referência bíblica. Durante o período de Amoraim da história acadêmica ( 220-370 A.C.),e Samael - como Anjo da Morte - se fundiu a outras referências. Os textos originais mencionam anjos se transformando em seres vingativos, mensageiros mortais. Samael gradualmente foi assumindo o título do Anjo da Morte, fazendo salto de cânone religioso ao folclore, tornando-se uma criatura que agia de forma independente.

Ele já não cumpria os desejos de Deus. Ele estava caçando e matando por conta própria. Este folclórico Samael foi coberto com “onisciência” para garantir que ele não perderia nada. Na tradição judaica, ele ocasionalmente é relacionado a Caim, e disse ter trazido o poder e desejo de matar a humanidade.

02. Gabriel não é de alta hierarquia.

anjo de baixa hierarquia
Gabriel aparece em toda Bíblia apenas quatro vezes, e em uma dessas é repetidamente representada em todos os natais. Ele aparece para Maria e diz a ela sobre a escolha divina para ser a mãe do filho de Deus; duas vezes depois como mensageiro.

Ele é definido como um arcanjo, contrariando a informação que fosse apenas um anjo de hierarquia secundária, e essa posição já dá uma distinção importante. Embora a definição de arcanjo o ponha acima de um anjo comum, ele ainda tem castas superiores, e não poucos.

Os anjos são descritos como tendo uma hierarquia de três níveis distintos, e dentro de cada faixa são três subgrupos. A primeira hierarquia, mais próximo de Deus, inclui os Serafins (que são os presenciais em Deus), os Querubins e os Tronos, ditos inseparáveis da Palavra. No segundo nível, temos os Domínios, que governam o resto e ajudam os humanos no controle de seus impulsos, Virtudes que estão no comando de envio de milagres, e os Poderes que ajudam a proteger as pessoas boas das tentações do diabo. Na última hierarquia, o menor do grupo e os menos próximos de Deus, estão os Principados, controladores dos outros anjos abaixo deles. Os diferentes reinos terrenos têm seus próprios Principados, responsáveis pela supervisão e gestão de grupos, certificando-se de que as pessoas dignas serão elevadas a liderança, e ajudando a garantir que o poder é exercido para o nome de Deus.

Diretamente abaixo estão os arcanjos, que servem como mensageiro de Deus como visto nas aparições de Gabriel (significado de seu nome: mensageiro de Deus). Abaixo aos arcanjos estão os anjos, que aparecem entre os homens com mais frequência, retransmitindo notícias de pequenos milagres, e auxiliando, se necessário. Quanto mais baixo da hierarquia que você é, o mais longe de Deus que você é. Isso faz com que Gabriel, um dos anjos apenas mencionada na Bíblia e o garoto propaganda dos presépios em todos os lugares.

1. Anjos maléficos não causaram a inundação diluviana.
anjo pre diluviano

Anjos quase sempre são contextualizados como mensageiros e servos de Deus. Mesmo quando estão matando, realizam a vontade de Deus. Mas, de acordo com algumas interpretações, foram anjos que, pelo menos em parte, causaram o dilúvio bíblico que destruiu toda a humanidade (com exceção de Noé e sua família).

De acordo com Gênesis, nos dias anteriores ao dilúvio, a Terra era lar para a humanidade, bem como uma raça chamada Nefilins. O Nefilins foram gerados dos "filhos de Deus" e as "filhas dos homens", e uma das interpretações comuns deste é que os "filhos de Deus" eram anjos que vieram para o reino da terra e se agradarem sexualmente delas.

Judas 1: 6 refere-se aqueles que haviam deixado o seu legítimo morada e ido para a Terra, enquanto o próprio Gênesis apresenta o Nefilim como filhos de mulheres humanas e criaturas divinas. Embora a interpretação seja um pouco complexa – por falta de argumentos válidos - para o debate em ambiente cristão, é um pouco mais simples na teologia judaica:

nefilimQuando Deus vê a corrupção que tomou conta de sua criação, e Azael Samhazai e seu grupo se ofereceu para ir para a Terra e provar que o homem é responsável pelo seu próprio destino. Enquanto estiveram lá, não só cederam aos prazeres terrenos que tentavam evitar, mas Samhazai viola um dos mais sagrados juramentos: revela o verdadeiro nome de Deus a uma mulher mortal. Após isso, nunca mais foi autorizado a voltar para o céu, e Istar, a mulher, é elevada aos céus e posta entre as estrelas. Ele se arrepende, mas isso só faz o manteve no limbo entre a Terra e o Céu.

Outras versões contam que algo como 18 anjos se misturaram com humanas e produziram descendentes. Em ambas as tradições, a presença do pecado mundano, obriga a Deus aniquilar tudo, juntamente com os gigantes, descendentes de seus amados anjos.

Tradução: Zé Luís Jr.
Visto no Listserve

9 comentários:

  1. Caramba!! o autor desta materia é anti-cristo que maneira de adicionar à Deus o adjetivo de IRADO e o sangue de Cristo satisfez os querubins. QUE DEUS TE PERDOE OS TEUS ERROS E TE CONVERTA DO CAMINHO DOS MAUS FEITORES.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei que ele se equivocou em muita coisa... Faz afirmações totalmente erradas

      Excluir
  2. nossa tudo errado! nem todos os anjos tem azas e nem todos os anjos vao ter aureola! mentira isso de dizer q n tem anjos bebes tem siiim!!! eu ja vi e sei bem que existem anjos bebes e nao sao diferentes da foto o diferente e que sao alegres e nas fotos mostra serio isso no que vi agr nao sei se todos os anjos sao alegres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem certeza que não eram demônios? Satã gosta de se transvestir de anjo de luz... Aquele Jorge Negromonte também via "anjos bebês", resultado: Matou, comeu a carne e fez outras pessoas comerem... Há principados, potestades e dominações... Satã tem o seu exército pessoal para nos enganar. Infelizmente, costumamos ser orgulhosos e preferimos acreditar que xamanismo é o mesmo que cristianismo e que esquizotipia é o mesmo que capacidade profética...

      Excluir
    2. Tem certeza? Então você acha que os anjos são uma comunidade gay?, Claro, pois você alega que os anjos não tem sexo né? A única coisa que a bíblia diz é que os anjos NÃO SE CASAM E NEM SE DÃO EM CASAMENTO, não diz que eles não tem sexo. Não podemos crer em tudo que as nossas bíblias dizem, pois tem muita coisas que não deviam estar escritas lá, como também não tem coisas que deveriam estar lá. A bíblia como foi traduzida para nós foi traduzida por pessoas do sistema católico romano, que também mudou os tempos e a Lei de Deus. Outra coisa, a criação na Terra é uma cópia da criação celestial, se temos macho e fêmea na Terra também temon anjos homens e mulheres no céu. A pro[ópria trindade bíblica evidencia uma família, pois temos Deus (Pai), Jesus (Filho), e Espírito Santo (Mãe), que no original hebraico é Ruach ha Kodesh, e palavra Ruach tem artigo feminino.

      Excluir
    3. Tem certeza? Então você acha que os anjos são uma comunidade gay?, Claro, pois você alega que os anjos não tem sexo né? A única coisa que a bíblia diz é que os anjos NÃO SE CASAM E NEM SE DÃO EM CASAMENTO, não diz que eles não tem sexo. Não podemos crer em tudo que as nossas bíblias dizem, pois tem muita coisas que não deviam estar escritas lá, como também não tem coisas que deveriam estar lá. A bíblia como foi traduzida para nós foi traduzida por pessoas do sistema católico romano, que também mudou os tempos e a Lei de Deus. Outra coisa, a criação na Terra é uma cópia da criação celestial, se temos macho e fêmea na Terra também temon anjos homens e mulheres no céu. A pro[ópria trindade bíblica evidencia uma família, pois temos Deus (Pai), Jesus (Filho), e Espírito Santo (Mãe), que no original hebraico é Ruach ha Kodesh, e palavra Ruach tem artigo feminino.

      Excluir
  3. Gabriel não é um garoto propaganda! Acreditando que o autor é cristão, entendo o nome " Cristão confuso"

    ResponderExcluir
  4. Nao sei se aprendi mais sobre a biblia ou se fiquei mais confuso!

    ResponderExcluir
  5. Dúvida, Gabriel se apresenta como "o que está sempre na presença de Deus." em Lucas 1:19, como ele pode não ser de alta hierarquia?

    ResponderExcluir