22 de fevereiro de 2010

Não creio em contos de fada

Zé Luís

Vi a imagem no twitter, no @coisademacho
Cansei de gente vendendo finais de conto de fadas nos púlpitos. Talvez possamos ter finais felizes, mas “felizes para sempre? Neste mundo?

Vivo no meio de gente que faz propaganda religiosa ao invés de evangelismo, sem se importar com a opinião do autor do mandamento.

Eles contam sobre a ressurreição de Lázaro, mas nem lembram que Lázaro teve que enfrentar a morte por duas vezes. Quem se aventura a passar por isso?

O perdão dado a Pedro o levou a uma cruz em X, onde morreu de cabeça para baixo. Conta a tradição que ele mesmo pediu isso, por se achar indigno de morrer como seu mestre. O martírio foi peça comum entre quase todos os discípulos. Houveram momentos inesquecíveis com Jesus? Claro! Foi exatamente esses momentos que fizeram resistir até o fim em seus trágicos finais.

Davi, ainda garoto, é ungido rei de seu povo. Entre este dia e o dia que assume o trono, dez anos depois, nunca teve paz. E mesmo após este momento , quando já era rei, seus amores, filhos, amigos, sempre foram objetos de conflitos e dores.

Paulo, após ser escolhido como vaso pelo próprio Deus – com direito a show pirotécnico na estrada de Damasco – terá em seu histórico tantas prisões, espancamentos, chibatadas e no fim, a pena capital, dada por Nero: decapitação.

O Cristianismo tem diferenciais das outras crenças. Como nos lembrou C.S.Lewis, é a única crença que permite chamar Deus de Pai. Isso é exclusividade, mas também é a única que deixa suas criaturas, a quem ama tanto, matá-lo.

Diferente de tantos pregadores atuais, não usava seus milagres como fonte de marketing pessoal, nem tão pouco ensinava que viveríamos em um mundo a parte, um “mini-céu” com seres que, na forma atual, não poderiam povoá-lo. Que seres? Nós! No mundo tereis aflições, e não viver de conforto em conforto, de mansão em mansão, de iate em iate.

Nossa vida – cristã ou não – não oferece trégua:
Viveremos muitas despedidas, lidaremos com afetos se desbotando com o tempo. Receberemos ligações de madrugada com notícias terríveis. Falarão mentiras sobre nossa conduta. E o pior: passaremos grande parte de nossa existência nos imaginado melhores do que realmente somos.

Sabemos que costumeiros vencedores tem menor resistência à derrotas. Se a Palavra nos diz ser mais que vencedores, somos os que deviam saber lidar com os dois lados de um jogo: os que ganham e os que não ganham.

Por isso, Jesus se faz tão importante em nossa alma. Ele fala de construções com bases necessariamente firmes,sólidas, por que tempestades fazem parte das existências. Não apenas ensinamentos, mas Ele próprio se faz necessário nas entranhas de nossa vida.

Não creia que soluções temporais sejam a fórmula da felicidade. A paz que vai na alma daquele que encontrou a Cristo não é justificada pelas situações positivas em sua existência.

Você pode encontrar um desses seres, tranquilos, serenos, lúcidos, e depois saber que perderam um grande amor. “Eles”- que deveria ser "Nós" - não se explicam.

O que você não encontrará são estas ovelhas misturadas a bodes no dia que há de vir. A estes, o Cristo jamais dirá: “Afasta-te de mim, pois nunca te conheci...”

12 comentários:

  1. isso por acaso tem relação com domingo à noite?

    :/
    AHCB

    ResponderExcluir
  2. Não. Eu realmente acreditei no que foi testemunhado.
    Só não creio que. a partir daquilo, o mundo se tornou um "céu de brigadeiro".

    Cri realmente que aquele homem foi tirado de sua cadeira de rodas e preparado para levar a Palavra. Só não acredito que Deus ficaria sistematicamente gerando milagres deste gênero.

    É isso

    ResponderExcluir
  3. Oi Zé Luis!

    Eu entendo que o viver em e para Jesus é sacrificial.
    Propaganda enganosa é aquilo que se ouve de pregadores profissionais que perambulam por aí dizendo ser mar de rosas.
    E a porta estreita, alargou?
    E a cruz de cada um, foi para o baú?
    "Ainda que eu passe pelo vale da sombra da morte", pra esses, passou de largo nesse comentáriozinho medíocre que chamam de sermão.
    "Ser mais que vencedor" (detesto o jargão...) precisa ser compreendido em sua amplitude, mas precisa de corajosos que queiram aceitar o desafio de vencer.
    Espero que as verdades ditas e escritas surtam efeito, ao menos, em alguns.

    No mais, meu novo amigo, me tornei teu seguidor por aqui também.

    Abçs!

    Gildo
    www.gildocarvalho.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Eu sei que vc acreditou, não é isso.
    Eu tb cri.A questão é: porque escreveu sobre isso?Deve ter partido de alguma coisa; imaginei que tivesse vindo do contexto de domingo.

    Ah!Céu de brigadeiro?Como seria?!Seria escuro pra sempre?rs

    E por que Deus não ficaria fazendo um monte de milagres desse gênero?

    ResponderExcluir
  5. Olá, Gildo!
    Bem vindo. Você é um quadranga?

    Anjo:
    Sobre minha escolha do tema? Sei lá...só sei que foi assim...

    o termo "céu de Brigadeiro" é coisa mais velha que eu: seria um céu limpo, sem nuvens, nem turbulências...

    Quem vive o que vivemos, não pode dizer que temos uma vida de invencibilidade, invictos, inerráveis...

    Como disse o Gildo, se faz necessário divulgar a cruz de madeira rústica.

    Lembrar que a tal armadura do Espírito não tem sentido de existir se for apenas para ficar polida.

    E isso me deu uma nova idéia...

    ResponderExcluir
  6. É isso aí Zé, tão preparando uma igreja que vai ficar aqui, com tudo o que conquistarem.

    Por isso são raros os sermões ou músicas que falem sobre arrebatamento, pois quem quer saber disso com tanta coisa para conquistar e manter aqui, não é mesmo?

    Dá uma escutadinha nisso aqui, só pra matar saudade do lugar que nunca vimos.

    http://www.youtube.com/watch?v=iEA_7NO3OdM

    nEle

    Ielton Isorro
    http://clamandonodeserto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. XIIIIIIIIIIII Fui descoberto! rsrs...
    Pois é, Zé (sentiu a cacofonia??), sou quadranga, embora alguns digam que não parece...

    Parabéns pelo blog!

    Sempre em Cristo.

    Gildo

    ResponderExcluir
  8. Pr. Ielton

    Tem um garoto de uma igreja q preguei que disse quando a gente está perto de morrer a gente começa a pregar sobre a volta de Jesus.

    Mas creio que não se fala disso por que a audiência cai.

    Pr. Gildo:
    Reconheço um "quadranga" a léguas. Só basta ter a insignia no site dele...rsss

    Anjo:
    Sobre milagres sistemáticos:
    A questão é: para que Jesus faria isso?

    ResponderExcluir
  9. é Ze...

    pra quem viver não é Cristo, morrer não é lucro algum.

    Ielton

    ResponderExcluir
  10. Vacilei, reconheço...
    Mas a amizade continua a mesma, tá?? hehe...

    ResponderExcluir
  11. Que pérola esse texto...é por não entender isso q muitos se decepcionam com o evangelho sem nunca tê-lo vivido realmente.
    parabéns!

    ResponderExcluir
  12. Gosto muito dos seus textos Zé, tenho aprendido muito.Queria ter sido discipulada da forma correta mas ñ tive sorte, e só Deus sabe o qto tô penando p/ aprender sozinha.

    ResponderExcluir