6 de agosto de 2010

40% das mulheres escolarizadas se casam com os menos educados

Do total das brasileiras mais escolarizadas, 40% delas se casam com homens com nível de educação formal mais baixo. Ou seja, quase 50%.  Tal proporção se verifica em toda a América Latina, em contraste, por exemplo, com os Estados Unidos, onde os 16% das mulheres mais bem formadas se casam com homens de  nível de escolaridade abaixo do seu. Em outros países desenvolvidos a desproporção também é menor do que a verificada no Brasil.

Essa conclusão é do estudo “Escolaridade não pode comprar o amor” (em tradução livre) da Universidade Harvard que analisou informações do censo de 40 países. O estudo considera como mulheres mais escolarizadas quem tem a partir do nível secundário completo.

Quando escolhem uma mulher para se casar, os homens latino-americanos dão mais valor a quem cuida exclusivamente do lar do que a quem tem formação acadêmica e, portanto, com maiores oportunidades de trabalhar fora de casa.

Ricardo Hausmann, um dos autores do estudo, informou que, quando uma mulher mais escolarizada se casa com homem de formação inferior, ela tende a ficar mais horas trabalhando fora de casa, fazendo horas extras, por exemplo.  Quando a formação de um e a de outro são compatíveis entre si, há mais convivência em casa.
Ficou constatado também que os homens que se casam com mulheres mais bem preparadas que eles ganham acima da média dos trabalhadores do seu nível cultural.

Tal fato tem duas possíveis explicações, que necessariamente não são excludentes: ou as mulheres escolhem ou aceitam se casar com homens com menos formação escolar, mas com mais empenho no mercado de trabalho ou elas lhes acrescentam mais contatos e apoio para se sair bem profissionalmente.

Com informação da BBC Brasil através do Paulopes