13 de outubro de 2010

Medo do diabo

por Zé Luís

Usando a citação de Gabriel Garcia Marques, quando se quer escrever, quando somos jovens, não temos conteúdo próprio suficiente para contar uma história. Quando estamos velhos, não lembramos mais do conteúdo que acumulamos pela vida.

Pensava eu que o problema de memória era apenas meu, mas é problema, humano cada vez mais intenso entre os meus. É como deixássemos de existir a cada instante, e um enorme apagador viesse do passado, nos deixando como existisse só o agora. Falta de memória pode intensificar a falta de sentido da vida e deixar incompreensível o sentimento de ingratidão que nos inunda.

Tenho a sensação de citar sempre as mesmas coisas às mesmas pessoas e estar fazendo isso pela vida que passa e não volta, e alertar a todos sobre a desnecessidade - e a incoerência - do medo frequente na vida dos que professam serem genuinamente Dele, sempre recebendo um sorriso de quem ouve, mas não se interessa.

O medo cristão do diabo e sua vontade de digladiar contra ele é algo insensatamente comum naqueles que se propõem a combater o Bom Combate. O que o inferno pode é soprar, mas só se o Mestre dizer: “Sopre...”. O diabo mata? Só se o Criador disser: “pode fazer”.

Tateamos angustiados buscando a trilha segura contra o mal, caçando quem nos revele onde pode estar o maldito capeta, esperando que nos mostrem se ele infiltrou-se ali ou acolá, quando o Caminho se responsabilizou por nos proteger Nele. Lesse o legado que deixou, não haveriam tantos profissionais do medo.

Quando o Apocalipse cita que o diabo é liberado após o milênio, juntando rapidamente um exército, quem o liberta é um anjo, e o faz como quem tira um coelho de uma pequenina cartola, como quem tira um periquito de uma gaiola, um tição apagado que fumega o calor dos que já não queimam.

Creio que o pavor que cristãos cultuam pelo diabo está relacionado a falta de Graça: se tivermos que debater no juízo com esse ser maléfico, justificando nossos atos contra a acusação dele, não haveria esperança: das iscas propostas, mordemos quase todas. O problema é que muitas destas acusações não são pecados realmente, mas aceitamos que eles sejam como por usarmos em nossa vida, com o pretexto de manter a ordem em nossas comunidades. A ordem do medo.

Nessa miscelânea de coisas que são e que não são, nesta tempestade de entendimentos contrários, nessa absurda luta para se manter no topo da torre babilônica que detém a informação confiável nos perdemos.

A falta de memória nos remove o episódio onde o ladrão morre salvo, sem teologia, sem ter conhecido um culto, sem saber sobre os benefícios da vida Cristã e os 10 passos que o levariam a isso. O ladrão morre salvo pela vontade do Mestre moribundo.

Teu medo não te aproxima de Deus, valoriza o diabo, desvaloriza a gratuidade da Graça e zomba do poder de Deus em salvar e cuidar dos seus.

5 comentários:

  1. Depois de conhecer a Palavra de Deus e o poder que há nela eu mudei a direção do meu medo. Antes eu tinha um certo medo do diabo. Hj eu tenho medo do SENHOR, do Todo- Poderoso. A bíblia diz em Lucas 12:5 "Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei" Sabemos que só quem tem poder para mandar alguém para o inferno é DEUS, pois nem isso o diabo tem poder!
    A paz!!!

    ResponderExcluir
  2. Medo remete a temor, e pode desencadear o pânico , e tantas outras doenças..não creio que Deus
    quer que tenhamos medo Dele ou do que quer que seja, porque ele diz "Ainda qu eu andasse pelo vale da sombra da morte não temeria mal alugm." Acho q foi o Ed René que citou em uma revista antiga q escrevia: "Somente a esperança anula o medo." Texto excelente.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Zé Luiz.

    Isso é tão sério que, as igrejas estão cheias de pessoas que dizem que amam a Deus mas, estão lá por medo de ir para o inferno.
    Que dão o dízimo por causa o Devorador e que tremem diante de uma possível retalhação.

    Parabéns,

    A escriba do rei

    ResponderExcluir
  4. Fazia tempo que eu não fuçava aqui... rrsrs

    Entom Zé, já tive o (des)prazer de ter tido o encontro com o rabudo algumas vezes depois que me converti.

    Pessoas possuídas e que ao ouvirem sobre o Nome de Jesus foram libertas, mas não sem antes ser travado uma batalha de acusações, repelidas pelo bom Sangue do Cordeiro.

    Realmente ele é sujo, acusador, astuto. E realmente não há razão para temê-lo, desde que se esteja sob as asas do Pai.

    Forte abraço!

    JC

    ResponderExcluir
  5. Medo é um sentimento próprio do ser humano. Podemos lutar contra ele, mas eu acredito que enquanto continuarmos a ser apenas humanos, teremos medo vez ou outra.

    São batalhas, a guerra é que não pode ser perdida.

    ResponderExcluir