25 de dezembro de 2011

9 Argumentos contra o Natal para crentes

por Zé Luís

Participo de alguns grupos de discussão. Entre eles, gosto muito dos Christians Nerds, e dos assuntos ecléticos ali debatidos. Entre eles, material interessante sobre o Natal, no qual me baseei para trazer a lista abaixo:

Há séculos , cristãos – ditos – protestantes celebram o Natal através de cantatas, jograis, dramatizações, embora é cada vez mais crescente novos grupos evangélicos que divulga essa data comemorativa como algo pervertido, oriundo do paganismo. As razões alegadas são as mais diversas: sua origem está ligada ao culto pagão ao deus Mitra, que a data real do nascimento, 25 de dezembro está incorreta e ligada a cultos pagãos, que a árvore de natal é originária de Babilônia, que não existem referências bíblicas que justifiquem tal celebração...

Enfim: os adeptos da Teologia Conspiracionista expõem uma galeria de argumentos de aparência piedosa, mas eles resistem a um contra argumento simples?

1)“Jesus não nasceu em 25 de dezembro”.
Provavelmente não. Mas a legitimidade do Natal não exige essa exatidão, já que a celebração comemora a encarnação de Deus entre os homens, assim como não existe unanimidade na exata idade em que foi crucificado, ou até, no ano em que nasceu.

Convencionar uma data não torna a celebração pagã, já que mesmo a Pascoa tem a data alterada a cada ano. Muitos não tem ideia da dimensão do milagre ocorrido quando a data é celebrada, já que o criador dos Universos dos Universos se fez um pequeno bebê nas poeirentas terras do Oriente Médio de 2000 anos atrás. A data escolhida por Ele só teria real importância para aqueles que querem fazer mapa astral, com seus ascendentes e descendentes.

2)  “25 de dezembro era a data romana onde se comemorava a adoração ao Sol Invictus”.
Fato: a partir do momento que Roma experimenta a conversão ao Evangelho, as homenagens antes feitas ao sol, agora são direcionadas a Jesus. A associação do Messias a um brilho que ofuscava o próprio Sol tornou-se uma ideia cada vez mais aceita entre os novos convertidos, já que a crença local não o via apenas como ser iluminado, mas autor, inclusive, da própria luz.

Imaginemos – minha fé hoje não é tão grande assim – que os brasileiros se convertessem a ponto do Carnaval não ser mais uma festa aceita, e se transformasse numa celebração ao Espírito. Haveria algum tipo de problema com a conversão dessa data atualmente tão nociva?

3) “A árvore de Natal descende da antiga Babilônia, desde tempos de Ninrode...”

O detalhe, mesmo se essa informação for constatada como verdadeira, é que uma coisa não invalida a outra, já que a árvore não é um simbolo exclusivo desse culto pagão. Se, em alguma longicua tribo de 10.000 anos atrás, nomades cultuavam deuses pagãos como Astarote, Moloque ou Baal, hoje o simbolismo poderia ligá-la a Arvore da Vida. O pinheiro mantém suas folhas verdes, mesmo no mais duro inverno ou na mais extenuante seca, sempre apontando para o alto, reta, em direção ao céu.

Se para o pagão, o Domingo é o “Dia do Sol” (Sunday), para o cristão é o “Dia do Senhor”. Se para o movimento GLBT, o “arco-íris” é o símbolo deles, para nós é o sinal da aliança entre Deus e a terra (Gn 9.13). Simbolismos variam de grupos para grupos.

4) “A Bíblia não prescreve essa comemoração”.

A igreja é por excelência um lugar de celebração. Nela celebramos o culto a Deus, mas também celebramos as ações de graças, nascimento dos filhos, o casamento, as bodas de ouro de nossos pais, os 15 anos da filha, o aniversário da igreja, o aniversário de seus membros. Porque então ela não celebraria o maior evento de todos, que é a Encarnação do Verbo? Muitos que são contrários ao natal, deveriam ser coerentes e nem se lembrar do aniversário da esposa. Aí eu quero ver! [Detalhe: as igrejas contrárias ao Natal fazem grandes festas celebrando o próprio aniversário].

5) “Trocar presentes é invencionice do Natal”

No passado, o povo de Deus separava um mês do ano para fazerem banquetes e trocarem presentes uns com os outros (Ester 9.22-23).

6) “O Natal foi comemorado a primeira vez somente no ano 356”.

Engano: o 1º Natal foi comemorado junto às campinas onde um grande coral de anjos louvou: “Glória a Deus nas maiores alturas....”

7) “Não é bíblico”

Se nas igrejas não há nenhum impedimento de se realizar cultos temáticos alusivos ao Pentecostes, à Páscoa, à Paixão, por que não realizar cultos alusivos ao nascimento de Jesus num determinado mês do ano? Se em maio as igrejas fazem cultos alusivos à Família, porque em dezembro – ou qualquer outro mês - não pode fazer alusivo ao Nascimento de Jesus, que é um tema bíblico tão detalhadamente narrado pelos evangelhos?

8)É uma data apenas para o consumismo.

Quando eu não conhecia a Cristo, a data que mais me aproximava Dele – ou onde mais se falava desse Nome – era o Natal. Como cristão praticante, todos os dias são próprios para falar de Jesus. Mas podemos imaginar o que um homem como o apóstolo Paulo faria, se tivesse uma data dessas, com boa parte da população mundial se atendo ao assunto, como não faz o ano inteiro.

9) Natal é uma festa mundana.

Negativo: ouça a Simone cantando que é uma festa cristã. Qualquer distorção mundana é uma apropriação indevida que os interesses desse mundo implantaram em prol de seus benefícios. O uso das agências de propaganda do natal para alavancar as vendas não transforma o nascimento de Jesus, confirmado na História, em um presépio de eletrodomésticos, TVs de 50” e celulares de última geração. 

Quem faz isso somos nós.

Justificar a não comemoração da data pelas distorções impostas pelo sistema é dizer que nossa devoção pelo Deus Altíssimo perde o valor por conta das abominações humanas. É incoerente.
Vivemos de acontecimentos cotidianos, mas também de eventos especiais e marcantes em nossas vidas, vivemos de memórias e celebrações. Sem a lembrança das coisas passadas, dos eventos alegres e significativos, tornamo-nos duros, secos, e esquecemo-nos dos feitos do Senhor. O salmista nos ensina: "Recordarei os feitos do Senhor, sim, me lembrarei das tuas maravilhas" (Sl 77.11).

Natal é uma delas que sempre faço questão de lembrar.


9 comentários:

  1. Boa tarde Sr. Zé Luiz, concordo plenamente com sua colocação sobre o grandioso Natal, portanto se realmente quisermos ter respaldo para criticar ou buscarmos as origens e significados das "coisas" temos que estar embasados por completo, para que não venhamos a cair em nossos próprios argumentos e conceitos. Deixo apenas uma questão à princípio. O nome do blog é Cristão confuso. Qual a origem do nome Cristo? Será que não é da mesma "trupe" dos inventores do Natal? Vamos refletir um pouco caro amigo!!! Abraços e gostei muito do blog...

    ResponderExcluir
  2. A vida precisa de encantos e há encanto na comemoração do Natal. Mal ("Justificar a não comemoração da data pelas distorções impostas pelo sistema é dizer que nossa devoção pelo Deus Altíssimo perde o valor por conta das abominações humanas.")só faz mesmo para quem não dá valor ao o nascimento do Salvador.Para quem não crê q Jesus é o Cristo, q diferença faz? Pq para quem crê Natal é todo dia.
    Disney não gostava de ver a dublagem dos desenhos pq, segundo ele, vê-los roubava o encanto das falas dos personagens, é como ver as fotos do artigo anterior mostrando os bastidores de filmes q na maioria nos foram encantadores.
    Comemoremos então o Natal.
    O Ano Novo é como qualquer dia dizia minha mãe mas sem as comemorações e reflexões ficaria sem encanto. E vida sem encantamentos é bem sem graça.

    ResponderExcluir
  3. Pronto! Agora tenho 9 contra-argumentos pra justificar a quantidade de rabanada, pavê, pudim, hmm.... rsrs

    ResponderExcluir
  4. Argumentou bem!
    Entretanto, quem diz o contrário, não é necessariamente um perigo!!
    Pois, tem coisas na vida que nunca deixará de existir!!!
    Como a ganância do homem!!
    Pode continuar curtindo, pois, natal, carnaval, páscoa.... continuarão.
    E por falar nisso, a impressão que tive é que nem acabei de pagar as dívidas do natal passado e chegou rápido o desse ano!!
    Tudo rotina e a repetição é cansativa...
    Orquidea

    ResponderExcluir
  5. Natal, Celebração ao Poder do Deus Dinheiro
    Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará o outro, ou dedicar-se-á a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao Dinheiro. (Mateus 6, 24)



    É bom primeiramente lembrar que ninguém sabe qual foi o dia e o mês do Nascimento de Jesus Cristo. A Igreja Católica escolheu o dia 25 de dezembro como data do nascimento de Jesus e todos aceitaram como verdade. E assim, a grande força econômica e envolvente criou o Grande Império do Comércio e a Celebração ao Poder do Deus Dinheiro neste dia tão esperado do ano.
    Muitos Cristãos acreditam que na época de Natal estão comemorando o nascimento de Jesus Cristo, mas na prática, celebram mesmo o Poder Econômico do Deus Dinheiro. No Natal, a preocupação é como se fartar com um banquete cheio de guloseimas, peru e uma mesa farta de Alimentos e bebidas. O poder da Gula, neste dia é muito grande e o poder das bebidas embriagam os homens até derruba-los ao chão ou faze-los perderem a razão. Os caríssimos presentes são dados neste dia para alegrar mais os entes queridos, e todos ficam felizes pelo grande consumo que o Deus Dinheiro lhes oferece. A felicidade é geral entre os Ricos e empresários que ganham fortunas nesta época tão festejada. Quase todos saem ganhando muito nesta época, principalmente as igrejas com as tão amadas ofertas e fartos dízimos. Quanto aos pobres, nescessitados e oprimidos, só lhes restam esperar que os Verdadeiros Cristãos se lembrem deles e ter o prazer de ver a grande festa que acontece entre os fiéis servos do Dinheiro. Os Verdadeiros Cristãos se encontram em extinção, mas, para alegria dos nescessitados, aparecem alguns caridosos que lhes oferecem um pouco de sopa e algumas cópias de brinquedos para seus filhos. Quando aparece algum nescessitado pedindo comida ou ajuda aos atuais religiosos, quase sempre ouve o que parece verdade mas não é; Dizem os religiosos: - Não devemos dar o peixe para o nescessitado comer, temos é que ensinar ele a pescar seu próprio peixe, senão, ele fica no costume de só pedir. Mas, quem se oferece para ensinar o nescessitado a pescar seu próprio peixe? Ninguém tem tempo para isso, e quase todos dizem: - Isso é dever do Governo e não nosso. E assim, o Natal é uma grande tristeza e tambem um dia de grande sofrimento para os miseráveis que apenas assistem o desfrutar dos que estão financeiramente seguros e que são fiéis servos do Poderoso Deus Dinheiro. O frio, a fome e a miséria esmagam os cansados e abandonados pela Sociedade Consumista nesta época. E a grande alegria da festa de Natal entre os Orgulhosos Consumistas e entre os Ricos Empresários, provoca uma grande revolta e um desesperado sofrimento entre os esquecidos e oprimidos, que ainda esperam um conforto no amor do Verdadeiro Deus. Assim, com a boca louvamos e adoramos ao verdadeiro Deus, mas, o nosso coração está grandemente empenhado em servir e idolatrar ao Poderoso Deus Dinheiro.



    Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam;

    Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.

    Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.
    (Mateus 6:19-21)

    ResponderExcluir
  6. Eu escolhi a neutralidade! Não comemoro o dia natalício simbólico de Jesus, mas se me desejarem Feliz Natal à recíproca será a mesma! Não comemoro o Natal não pelo fato da história de ser pagã ou não, mas sim por essa data trazer mais tristeza e sofrimento do que amor fraternidade. Se levarmos em conta a quantidade de famílias pobres pelo Brasil que não tem o que comemorar e nem o que comer e muito menos onde passar à noite de Natal, isso sem contar os seus filhos que maioria das vezes nunca participou de trocas de presentes e muito menos acharam de manhã na árvore de natal os seus presentes que tanto pediram ou sonharam.

    Conta à história que a Rainha Vitória trouxe da Alemanha e introduziu a árvore e a comemoração de Natal na Inglaterra e daí para o resto do ocidente. Não era qualquer um que comemorava o natal, e até hoje o natal é uma festa burguesa (no meu ver) que ao longo dos anos ficou pior e nos moldes hollywoodiano e por fim, totalmente burguês onde celebra o tradicionalismo da família, a troca de presentes, A OSTENTAÇÃO DOS PRESENTES ! Agora me responda? Onde uma família bem pobrezinha pode adotar esse estilo de comemoração? É o dia mais hipócrita ! O ano inteiro você nem olha para o seu vizinho ai no Natal o mesmo já bêbado vem com a falácia já bem conhecida "Feliz Natal" e o restos 364 dias nem olha na sua cara!

    Respeito quem comemora, mas que esse dia é triste é, porque para muitos esse dia só aperta à saudade, solidão de muitos que moram sozinhos ou já não tem mais família para comemorarem juntos !

    Ah ! A maioria dos sites cristãos que defende a comemoração do Natal usa argumentos tão fracos quanto os argumentos católicos para a veneração das imagens !

    ResponderExcluir
  7. Ai...como tem crente chato hein?

    Ainda bem q ainda tem rabanada lá em casa....como não bebo, vou comer pra esquecer! kkkk

    ResponderExcluir
  8. Angela Salvador,
    Preste atenção, tem dois comentários aqui, que são de pessoas,
    que não frequentam religião ok?
    Abç
    Orquidea
    PS: Assim como vc gosta do natal, tem quem não goste, independente de ter ou não religião.
    Como vc pode gostar de jiló e eu não, apenas opiniões,(e gostos) ok!!!???

    ResponderExcluir
  9. NO NATAL COMEMORO O NASCIMENTO DO MEU SALVADOR, JESUS CRISTO !
    NÃO VEJO NO QUE ISTO AFETA MINHA RELAÇÃO COM ELE.
    SOLA GRATIA !

    ResponderExcluir