sábado, 30 de agosto de 2014

10 personagens bíblicos e suas aparições misteriosas

traduzido por Zé Luís 

 Inevitável, ao ler a Bíblia, não deparar com personagens “desconectados” do que é contado ali: nomes surgem e desaparecem, apenas para fazer algo e sumirem por completo na história ali relatada. Importantes e misteriosos, alguns são meros participantes, que a princípio, parecem não fazer diferença no contexto. Outros, apenas estranhas e insólitas aparições.

E você? Já se deparou com algum desses personagens?

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Se somos seres estranhos?


E aí? Alguma dúvida?

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Acho que acabou mesmo: Vou pescar...

por Zé Luís

Disse Pedro, levantando-se em direção as redes abandonadas, guardadas a mais de três anos, quando num ímpeto de fé, saiu pelo país acompanhando quem ele cria ser o próprio Deus encarnado. Ele imaginava ser o agente dos céus na Terra. Pensava que estava em uma missão sobrenatural e que os anjos dos céus estavam a sua disposição, como quem tem uma tropa de choque para protegê-lo em eventuais probleminhas.

Mas tudo desmoronou: o Deus que ele acreditou morreu desgraçadamente, os poderes que aquele homem tinha não o livraram de ser humilhado sistematicamente por todos: morre escarrado, xingado, torturado, nú, em dores, diante de qualquer um que quisesse ver seus últimos momentos nessa vida e estivessem passando pela rua naquele momento. Às portas de Jerusalém, o Todo-Poderoso agonizava entre gente da pior espécie

terça-feira, 15 de julho de 2014

Você, um mentiroso!

por Zé Luís

“Devido a dificuldades na empresa, não poderemos dar seu aumento salarial...”

“O celular deveria estar fora de área... eu realmente não notei que havia recado...”

"Sim! Te aceito do jeito que você é..."

“Nunca! Nunca me passou pela cabeça isso!!! Você está enganado a meu respeito! Me sinto ofendido!”

“Não tenho trocados... Claro que acredito em sua história! E me comovi com isso que me disse...”

“Eu te amo, e te amarei para sempre! Sempre juntos estaremos no que depender de mim.”

“Confie em mim.”

Não olhe agora, mas muito próximo de você há alguém que mente.

Calma: não digo que ele – ou ela – é o chamado “mentiroso”. Talvez seja apenas alguém se preservando, e usa a mentira para evitar exposições que revelem quem ele não quer que seja visto.

Talvez, precise apenas de melhorias em sua autoimagem, sua posição profissional, seu currículo, manter estáveis suas relações familiares, conjugais.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Quando tem que ser, por maior que seja o esforço...


Eles bem que tentaram...

terça-feira, 1 de julho de 2014

Nerd: Não curto aneis e outros adereços... mas estes!

Tem para todos os gostos: de medalhão do Homem de Ferro a aníes de Guerra nas Estrelas. Muito Bom!


segunda-feira, 26 de maio de 2014

Viver mais um pouco? Sobre aqueles 15 anos a mais...

por Zé Luís


O rei ia mal de saúde, e Deus manda então seu profeta informa-lhe de seus dias de vida ia terminando. Ezequias então (esse era o nome do rei), ao ser informado por Isaías (o nome do profeta), chora copiosamente pelo fim precoce que lhe era destinado. Aos prantos, ora, lembrando Deus de como ele fora bom e correto enquanto tinha saúde.

Ezequias assumiu o cargo com vinte e cinco anos, e quando rei trabalhou em prol das ideologias do Reino, uma sociedade centrada e dependente nos desígnios divinos, durante quase quinze anos. Mas antes de completar 40 anos, vê sua vida chegar ao fim.

Caso não conheça a história, ela se encontra entre os capítulos 18 e o começo do capítulo 21 do segundo livro de Reis, na Bíblia. Estranhará, certamente, se for ler a passagem aqui indicada: perceberá que o começo do último capítulo citado (21) fala de seu sucessor, o Rei Manassés, e não mais de Ezequias, seu pai. O motivo ficará claro em poucos parágrafos.

Enquanto Ezequias chorava, Deus manda que seu profeta retorne e avise que ganhara 15 anos a mais, que não morreria diante de tamanha enfermidade.

Radiante com sua cura, recebe visitas diplomáticas de diversos países, incluindo representantes de Babilônia, aos quais, empolgado, mostra todas as riquezas do reino: aquela tão amistosa visita teve acesso às armas, as defesas, o ouro contido no Templo e no Palácio, e toda a fortuna gerada em Judá.

Nesse meio tempo, Isaías é reconvocado pelo Divino a informar as consequências daquele ato ao Rei: Aquilo estimularia a ganância dos babilônicos, já que agora todos daquela distante nação saberiam o que havia de valor para levar e como os judeus se defenderiam contra eles, caso entrasse em guerra.